Oi já negociou 51 milhões de euros de dívida com 27.000 credores no Brasil

Numa conferência telefónica com analistas, a Oi avançou que já chegou a um acordo com 27.000 credores no Brasil, num montante total de cerca de 51 milhões de euros de dívida.

A operadora brasileira Oi já conseguiu chegar a um acordo com “mais de 27.000 credores no Brasil”, num montante total de “aproximadamente 196 milhões de reais”, ou cerca de 51 milhões de euros. A informação foi avançada por Carlos Brandão, diretor financeiro da empresa desde outubro, numa conferência telefónica com analistas.

“Até ao momento, fomos capazes de negociar um crédito total de aproximadamente 196 milhões de reais com mais de 27.000 credores no Brasil”, disse o executivo esta terça-feira, por ocasião da apresentação de resultados trimestrais da empresa.

A Oi encontra-se ao abrigo de um processo de recuperação judicial no Brasil, com vista a evitar a falência daquela que é a maior operadora do país. A empresa acumula dívidas avultadas a cerca de 55.000 pessoas e entidades, incluindo a Anatel, o regulador brasileiro das telecomunicações. Em causa, uma dívida acumulada que rondará os 18 mil milhões de euros.

A empresa lançou um plano para liquidar dívidas até 50.000 reais, ou pouco mais de 13.400 euros. Desse valor, 90% é ressarcido com a assinatura do acordo. A restante parcela é paga após aprovação do plano de recuperação em assembleia geral de credores, que tem vindo a ser sucessivamente adiada e cuja data está agora marcada para 7 de dezembro. O programa já foi alargado também aos obrigacionistas portugueses e, após alguns problemas, a empresa anunciou, no final de outubro, já ter chegado a acordo com pelo menos 500 credores em Portugal.

Por sua vez, na conferência com os analistas, o líder da operadora, Marco Norci Schroeder, disse: “Continuaremos focados nas nossas estratégias com melhorias operacionais que preparem a companhia para um novo ciclo de crescimento. O interesse que grandes investidores têm mostrado na Oi, e o sentido de constituírem uma possível parceria estratégica, mostra a relevância que a Oi tem no mercado face ao seu potencial para gerar valor.”

Esta terça-feira, a Oi anunciou ter alcançado um lucro de 217,5 milhões de reais no terceiro trimestre, ou cerca de 56,8 milhões de euros. Foi o primeiro resultado positivo da empresa desde 2015. A portuguesa Pharol é a principal acionista da Oi, com cerca de 27% da empresa. As ações da Pharol valorizavam 0,82% para 36,8 cêntimos.

(Notícia atualizada às 16h19 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi já negociou 51 milhões de euros de dívida com 27.000 credores no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião