Lesados Banif: CMVM está a trabalhar “com todos os meios que tem”

  • Lusa
  • 14 Novembro 2017

O presidente da Associação de Lesados do Banif afirma que a CMVM está a trabalhar "com todos os meios que têm disponíveis" e que o regulador compreende a "ansiedade das pessoas".

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) assegurou à Associação de Lesados do Banif (ALBOA) que está a trabalhar “com todos os meios que tem” para encontrar soluções que minimizem as perdas sofridas. Em declarações à agência Lusa após o encontro, o presidente da ALBOA, Jacinto Silva, disse que se tratou de uma reunião de trabalho com o conselho de administração do regulador dos mercados.

Segundo o responsável, a CMVM admitiu tratar-se de “um processo complexo, moroso, mas que de forma nenhuma está esquecido”. “Estão a trabalhar com todos os meios disponíveis que têm. Compreendem a nossa posição e a ansiedade das pessoas, mas de facto este é um processo extremamente complexo”, admitiu Jacinto Silva.

"Estão a trabalhar com todos os meios disponíveis que têm. Compreendem a nossa posição e a ansiedade das pessoas, mas de facto este é um processo extremamente complexo.”

Jacinto Silva

Presidente da Associação de Lesados do Banif

Para o presidente da ALBOA, o processo tem que ser feito “passo a passo e caminhando no sentido que haja uma solução”. “É uma maratona e, como tal, prazos e tudo isso não conseguimos dizer. Há muita gente envolvida, esperamos chegar a bom porto, mas temos consciência que vai ser demorado”, disse.

A reunião surgiu depois de, no sábado, a CMVM ter dito que estava a realizar inspeções presenciais à forma como foram vendidos os produtos financeiros pelo Banif aos lesados da instituição, avançando que não se limita a verificar se os documentos obrigatórios foram assinados por estes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados Banif: CMVM está a trabalhar “com todos os meios que tem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião