Autoridade da Concorrência diz que intervenção alterou práticas de divulgação de crédito especializado

  • Lusa
  • 14 Novembro 2017

Regulador exige que sejam repostas condições de concorrência no mercado, para benefício dos consumidores. Associadas da ASFAC vão ter assim de melhorar as suas práticas.

A intervenção da Autoridade da Concorrência “conduziu à introdução de alterações” no sistema de divulgação de informação sobre crédito especializado junto dos membros da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), disse, esta terça-feira, a AdC.

As associadas da ASFAC são, assim, obrigadas a melhorar práticas com o objetivo de “repor condições de concorrência no mercado, em prol dos consumidores”, refere o regulador.

“Em processo de contraordenação aberto a 23 de abril de 2015, a AdC detetou indícios de infração às regras da concorrência na relação entre a ASFAC e as suas associadas, nomeadamente a existência de um sistema de intercâmbio de informação estratégica sensível relativa a produtos e serviços nos mercados do ‘leasing’ mobiliário, do aluguer de longa duração (ALD), do crédito clássico, do crédito rotativo (‘revolving’) e do crédito a fornecedores (stock)”, recorda a AdC.

Este sistema de intercâmbio de informações institucionalizado pela ASFAC era suscetível de potenciar um efeito restritivo da concorrência, permitindo às participantes uma atuação na posse de informação sensível, ainda que passada, dos seus concorrentes, bem como a monitorização frequente da posição dos concorrentes no mercado”, prossegue.

“Com o objetivo de responder às preocupações jusconcorrenciais manifestadas pela AdC, a ASFAC apresentou um conjunto de compromissos, comprometendo-se a introduzir alterações no seu sistema de divulgação de informações, através do aumento da antiguidade dos dados individualizados que coloca à disposição das associadas, bem como introduzindo alterações às regras de reciprocidade na recolha e divulgação da informação”, aponta a AdC.

Após a consulta pública, a AdC “concluiu estar em condições de aceitar os compromissos apresentados, tornando o seu cumprimento obrigatório para a ASFAC, como forma de assegurar a aplicação das regras de promoção e defesa da concorrência nos setores de mercado representados pela ASFAC“, acrescenta.

Nesse sentido, em 06 de novembro de 2017, o conselho de administração da AdC determinou “a conclusão do processo PRC/2015/9 mediante a aceitação de compromissos e a imposição de condições, que serão monitorizados pela AdC”.

A Autoridade da Concorrência recorda que a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF), outra das associações representativas do mercado, “também foi objeto de um processo contraordenacional e apresentou compromissos semelhantes, que se encontram em consulta pública”.

As duas associações e suas associadas foram objeto de diligências de busca e apreensão a 28 e 29 de janeiro de 2016.

“O facto de as associações agregarem os concorrentes de um determinado setor, não é, em si mesmo, restritivo da concorrência. No entanto, as associações de empresas, ao constituírem fóruns de encontro entre empresas concorrentes e de defesa dos respetivos interesses, têm de estar cientes que as suas decisões e iniciativas podem ser restritivas da concorrência caso viabilizem ou promovam a coordenação do comportamento estratégico das empresas, interferindo com o livre jogo da concorrência e com a autonomia dos agentes económicos. Cada empresa deve determinar de modo autónomo a sua política comercial, assim gerando concorrência no mercado”, conclui a AdC.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridade da Concorrência diz que intervenção alterou práticas de divulgação de crédito especializado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião