Oi aprova ajustamentos no plano de recuperação após exigência do regulador

Plano de recuperação prevê aumento de capital de dois mil milhões de euros. Administração da operadora brasileira efetuou ajustamentos ao plano para responder às recomendações do regulador.

O Conselho de Administração da Oi, onde a portuguesa Pharol detém uma participação de 27%, aprovou esta quarta-feira um conjunto de ajustamentos no plano de recuperação da empresa, isto depois de a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ter sugerido alterações por causa de “riscos” que o anterior plano apresentava para a operadora brasileira.

O plano de recuperação judicial prevê o pagamento de uma comissão aos credores que participarem no processo de capitalização da Oi. Essa comissão vai ser liquidada no momento da capitalização e não antes desse aumento como estava previsto na versão anterior. Outra alteração ao plano: o pagamento desta comissão poderá ser feito em dinheiro ou em ações e não apenas em dinheiro, como previa a redação anterior.

Em cima da mesa está um aumento de capital até oito mil milhões de reais (cerca de dois mil milhões de euros), uma operação para a qual vão contribuir os detentores de dívida da Oi — entre 3,5 mil milhões de reais e cinco mil milhões de reais — e também os atuais acionistas — 2,5 mil milhões de reais. Ou seja, a Pharol será chamada a participar.

No âmbito deste aumento de capital está ainda prevista a emissão de títulos de crédito convertíveis em ações num montante até três mil milhões de reais.

Ainda assim, este processo de reforço de capital encontra-se condicionado à aprovação do plano de recuperação judicial no Brasil, Reino Unido e EUA, adianta a operadora brasileira. Adicionalmente, o aumento de capital só avançará se a Oi registar um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 5,75 mil milhões de reais (1,5 mil milhões de euros).

Nos primeiros nove meses do ano a Oi obteve um EBITDA de 4,9 mil milhões de reais.

As ações da Oi fecharam a sessão desta quarta-feira a valorizar 2,65%.

“Os ajustes aprovados contemplam algumas das adequações que vinham sendo defendidas pela Diretoria da Companhia para que o Plano atinja uma configuração que permita a evolução das negociações a partir de um novo patamar, em busca de consenso entre as partes envolvidas no processo de Recuperação Judicial das empresas Oi”, diz o Conselho de Administração no comunicado divulgado ao mercado e publicado esta quinta-feira na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi aprova ajustamentos no plano de recuperação após exigência do regulador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião