Credores da Oi criticam rejeição de plano alternativo para a recuperação judicial da empresa

  • Lusa
  • 6 Novembro 2017

Credores da Oi consideram que negativa mostra que os membros do Conselho da Oi são impulsionados pelo objetivo de aumentar os interesses dos acionistas existentes em detrimento dos outros interesses.

Os principais credores internacionais da operadora brasileira Oi criticaram esta segunda-feira a rejeição de um plano alternativo de recuperação judicial para a empresa, apresentado por estes na semana passada.

“Infelizmente, não obstante o facto do ‘Term Sheet’ [termo em inglês que define uma carta de intenções] Revisto dos Credores ter sido desenvolvido especificamente para refletir os comentários recebidos da alta administração do Grupo Oi, a maioria do conselho de administração da companhia rejeitou-o sumariamente durante as negociações”, disseram num comunicado distribuído à imprensa.

Liderado pelo Comité Internacional de Detentores de Bónus (IBC, na sigla em inglês), o grupo Ad Hoc (AHC) e a FTI Consulting, estes credores da Oi acrescentaram que a negativa mostrou “mais uma vez que [os membros do Conselho da Oi] são impulsionados pelo objetivo de aumentar os interesses dos acionistas existentes, em detrimento dos melhores interesses das outras partes“.

Os credores também afirmaram a nomeação de dois novos membros para o Conselho de Administração da operadora brasileira, efetivada durante uma reunião na última sexta-feira, foi “uma violação ultrajante dos padrões de governança corporativa”.

“É óbvio que tais novos diretores foram nomeados para dificultar e contornar os esforços da alta administração do Grupo Oi de negociar planos de reestruturação justos e, em vez disso, atender aos interesses dos acionistas minoritários que exercem o controlo da companhia”, acrescentaram.

É óbvio que tais novos diretores foram nomeados para dificultar e contornar os esforços da alta administração do Grupo Oi de negociar planos de reestruturação justos e, em vez disso, atender aos interesses dos acionistas minoritários que exercem o controlo da companhia.

Credores da Oi

O posicionamento dos credores internacionais da Oi é uma resposta a um outro comunicado divulgado pela empresa hoje de manhã, no qual a operadora brasileira afirma que os acordos de confidencialidade com este grupo de credores foram extintos sem que houvesse concordância sobre o plano de recuperação judicial.

A Oi, na qual a portuguesa Pharol é acionista de referência, com 27% das ações, esteve num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

A empresa entrou com um pedido de recuperação judicial em junho do ano passado, por não conseguir negociar as dívidas, que na época somavam 65 mil milhões de reais (17,3 mil milhões de euros).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores da Oi criticam rejeição de plano alternativo para a recuperação judicial da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião