Após a habitação, crédito ao consumo já superou total de 2016

Nos primeiros 11 meses de 2017, os bancos disponibilizaram um total de 3.823 milhões de euros em crédito ao consumo, superando toda a concessão registada no ano anterior.

A concessão de crédito às famílias não para de acelerar, para novos níveis recorde. Depois de os novos empréstimos para a compra de casa terem batido, em 2017, a totalidade da concessão registada no ano anterior, chega a vez do crédito ao consumo ter o mesmo desempenho.

De acordo com dados do Banco de Portugal, divulgados esta terça-feira, os bancos disponibilizaram um total de 3.823 milhões de euros em crédito ao consumo nos primeiros 11 meses de 2017. Este valor supera assim a totalidade dos empréstimos com esse fim disponibilizados na totalidade de 2016: ascenderam naquele ano a um total de 3.807 milhões de euros.

Evolução do crédito ao consumo em 2017

Fonte: Banco de Portugal

Estes dados sinalizam que a concessão de crédito ao consumo mantém a tendência de crescimento, algo que foi percetível em novembro. No mês que antecedeu o Natal, os bancos disponibilizaram um total de 418 milhões de euros em novo crédito com esse fim. Trata-se do montante de concessão mensal mais elevado em mais de 17 anos. Seria necessário recuar até junho de 2006, para ver um valor mais elevado.

O crescimento da concessão de crédito ao consumo coincide com um período de melhoria das perspetivas económicas do país que levam muitos portugueses a mostrarem-se mais confiantes em assumir compromissos financeiros desta natureza. Mas também de algum “assédio” por parte das instituições financeiras. Numa altura em que uma das suas principais prioridades é a disponibilização de crédito, têm apostado em forte em campanhas promocionais de concessão de crédito pessoal. Basta consultar os sites dos bancos para perceber essa aposta.

O mesmo cenário é percetível no que respeita à concessão de empréstimos para a compra de casa que aceleram a um ritmo ainda mais acentuado. Em novembro, os bancos nacionais disponibilizaram um total de 783 milhões de euros em novo crédito à habitação.

Este é o montante mensal mais elevado desde dezembro de 2010, e permite estender para 7.441 milhões de euros a concessão total registada em 2017. Este valor supera ainda em mais de 1.600 milhões o montante total dos empréstimos para a compra de casa disponibilizados em 2016.

As famílias têm sido, aliás, uma importante fonte de absorção da liquidez injetada pelos bancos nacionais na economia. No acumulado do ano passado, até novembro, as instituições financeiras nacionais disponibilizaram um total de 13.047 milhões de euros em crédito aos particulares. Ou seja, 34% do total de crédito disponibilizado pelos bancos no ano passado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após a habitação, crédito ao consumo já superou total de 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião