Santana Lopes: “Tenho a certeza que estou em condições de ganhar a António Costa”

O candidato à liderança do PSD defende que o equilíbrio orçamental deve ser alcançado através do crescimento económico e da contenção da despesa e diz que o seu adversário copia a sua estratégia.

Pedro Santana Lopes está seguro não só de que vai ganhar as eleições internas para a liderança do PSD, como de que vai levar o partido a vencer as próximas eleições legislativas. Na última entrevista que concedeu, transmitida esta terça-feira na SIC, o candidato à presidência do PSD volta a criticar o seu adversário, Rui Rio, que acusa de “copiar” as suas ideias, e volta a recusar pedir desculpas por várias das polémicas que lhe são apontadas durante o curto mandato enquanto primeiro-ministro. Se ganhar as eleições internas e as legislativas, a estratégia é clara: equilíbrio orçamental alcançado através do crescimento económico e da contenção da despesa. Fica por dizer onde cortaria para controlar a despesa.

O antigo primeiro-ministro começou por ser confrontado com um vídeo, datado de 2013, que começou a circular esta semana nas redes sociais. Num excerto de declarações que fez enquanto comentador da CMTV, Pedro Santana Lopes diz que “nem que o vento mudasse dez vezes” conseguiria ser eleito primeiro-ministro. Mas, desde então, diz agora Santana Lopes, houve “alterações climáticas” e “o vento mudou mais uma vez”.

“Tenho a certeza que estou em condições de disputar as próximas eleições e de as ganhar a António Costa”. Para isso, aponta, essencialmente, três razões, nenhuma delas relativa à sua capacidade política: “O Governo perdeu o estado de graça, o PCP está com um pé dentro e outro fora e o Bloco de Esquerda quer ir para o Governo“.

Tenho a certeza que estou em condições de disputar as próximas eleições e de as ganhar a António Costa.

Pedro Santana Lopes

Candidato à presidência do PPD-PSD

Mais uma vez, o candidato aproveitou para frisar que a grande diferença entre si e o seu adversário é a posição que ambos assumem relativamente a um bloco central. “Nunca tive uma palavra de proximidade política para com [António Costa]. Apenas procuro reconhecer o que é bem feito e o que não é bem feito”.

Sobre as várias polémicas lembradas pela jornalista Clara de Sousa, Santana Lopes recusou sempre pedir desculpa, incluindo pelo momento, em outubro de 2004, em que decretou o fim do “período de austeridade”, numa altura em que as contas nacionais ainda não estavam consolidadas — é este mesmo “fim da austeridade” que agora é anunciado pelo atual Governo e criticado pela oposição. Seja como for, Santana Lopes garante: “Não fiz um Orçamento expansionista. Não prevíamos redução de impostos, prevíamos uma ligeira mexida dos escalões, como aconteceu agora. Dei muita importância, como continuo a dar, ao crescimento económico”.

Ainda assim, admite que não voltaria a fazer tudo da mesma forma. “Pouco inteligente é quem não tira lições da vida”, reconhece.

Quanto à estratégia a seguir, caso saia vencedor das eleições que decorrem no sábado, Santana Lopes apresenta propostas semelhantes às de Rui Rio, mas diz que foi o seu opositor quem o copiou. “Cada vez que me ouve dizer uma coisa, vai dizer isso na entrevista seguinte“. Está a copiá-lo? “É evidente”.

A estratégia passa por “criar riqueza para termos e crescermos mais de 3%, acima da média europeia”. “Do que precisamos como de pão para a boca é de dar estímulos salariais”, defende também. E “uma política fiscal ousada para trazer para cá talentos”, acrescenta, detalhando que “a carga fiscal deve baixar, nomeadamente o IRC”, frisou Santana Lopes.

Em suma: “Defendo que o equilíbrio orçamental seja alcançado pelo crescimento, com contenção da despesa“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana Lopes: “Tenho a certeza que estou em condições de ganhar a António Costa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião