Conselho de Finanças valida expectativa de Costa. Défice vai mesmo ficar abaixo da meta do Governo

  • Margarida Peixoto
  • 16 Janeiro 2018

Com base nos dados até setembro de 2017, o Conselho das Finanças Públicas aponta para um défice abaixo da meta de 1,4%. E nota que o país nunca tinha tido um excedente primário tão elevado.

Já não é só o primeiro-ministro que o diz. O défice orçamental de 2017 deverá mesmo ficar abaixo da meta mais recente que tinha sido definida pelo Governo, de 1,4% do PIB, antecipa o Conselho das Finanças Públicas (CFP). O organismo liderado por Teodora Cardoso nota ainda dois recordes: o maior excedente trimestral desde 1995 e, entre janeiro e setembro, o maior excedente primário também desde que há registos.

O défice verificado até setembro “representa uma melhoria homóloga superior à prevista para a totalidade do ano, para que muito contribuiu o excedente orçamental verificado no terceiro trimestre, de 2,6% do PIB gerado no trimestre, o mais elevado desde de que estão disponíveis séries estatísticas comparáveis (1.º trimestre de 1995)“, lê-se no relatório, publicado esta terça-feira pelo CFP.

Traduzindo, quer dizer que nos primeiros nove meses do ano, o ministro das Finanças, Mário Centeno, conseguiu um corte no défice maior do que o que se espera para o ano completo. Além disso, nesse mesmo período, sem contar com os gastos com juros, as contas registaram um excedente — “ascendeu a 3,6% do PIB gerado no período” e foi “um excedente que constituiu igualmente um novo máximo da série estatística“, frisa o CFP.

(…) Os resultados observados até ao 3.º trimestre e a informação mais recente relativa ao 4.º trimestre (ainda que incompleta) permitem antecipar um défice inferior a 1,4% do PIB no conjunto de 2017.

Conselho das Finanças Públicas

Evolução orçamental até ao final do 3.º trimestre de 2017

Com a informação disponível até ao momento, e sem contar com o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos — cuja decisão das autoridades estatísticas nacionais e europeias só é esperada para o final de março — o CFP diz que é possível “antecipar um défice anterior a 1,4% do PIB no conjunto de 2017”. O primeiro-ministro António Costa já disse que o défice deverá ficar em 1,2%.

Corte no défice conseguido com menos medidas temporárias

A redução do défice obtida em 2017 foi ainda conseguida com uma ajuda menor de medidas temporárias. Conforme explica o CFP, o resultado beneficia da venda das aeronaves F-16 à Roménia, mas conta apenas com a recuperação de parte das garantias do Banco Privado Português (eram esperados 450 milhões de euros). Feitas as contas, são 0,1% do PIB a ajudar a baixar o défice — menos do que o inicialmente previsto.

Já no que toca ao comportamento das receitas e despesas estruturais, os resultados foram favoráveis às contas. O CFP diz que os números “continuam a mostrar um contributo da receita para a redução do desequilíbrio orçamental, em especial da receita fiscal e contributiva, proporcionalmente maior que o da despesa“. Mas adianta que a receita está a crescer a um ritmo mais acelerado do que o previsto (5,5%, contra uma meta de 4,8%), ao mesmo tempo que a despesa cai (0,4%) em vez de subir, como era esperado. A expectativa do Governo era a de que os gastos aumentassem 3,5%.

Do lado da receita, são os impostos e as contribuições que estão a dar a maior ajuda. Já no que toca à despesa, “todas as componentes da despesa primária registaram, até ao final de setembro, uma evolução abaixo da estimativa”, mas são os gastos com prestações sociais que deram o maior empurrão.

Ainda assim, o CFP nota que no último trimestre do ano deverão verificar-se efeitos mais negativos, que empurrarão o défice para valores mais próximos da meta de 1,4%, tal como já tinha explicado a UTAO. O Conselho de Finanças sublinha o diferente perfil de pagamento do subsídio de Natal nas administrações públicas, ou outros impactos, como os apoios financeiros aos lesados do BES/GES ou a conversão de impostos diferidos em créditos fiscais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho de Finanças valida expectativa de Costa. Défice vai mesmo ficar abaixo da meta do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião