Puigdemont volta a ser empossado presidente da Catalunha

  • ECO e Lusa
  • 17 Janeiro 2018

Carles Puigdemont está exilado na Bélgica, mas os dois principais partidos independentistas da Catalunha acordaram empossá-lo como presidente regional.

Praticamente um mês depois das eleições que deram maioria absoluta aos partidos independentistas, a Catalunha recompõe-se, com a sessão inaugural de constituição do Parlamento que decorre esta quarta-feira. A imprensa espanhola fala em muitas incertezas relativamente aos próximos passos na região autónoma, desde logo porque Carles Puigdemont, o presidente catalão destituído pelo Governo espanhol, continua exilado. Mas uma coisa é certa: os independentistas vão recuperar o controlo do Parlamento e voltar a empossar Puigdemont.

Os dois principais partidos que defendem a independência da Catalunha anunciaram, na noite de terça-feira, que chegaram a acordo para empossar Carles Puigdemont, exilado na Bélgica devido às acusações da Justiça de Espanha, como presidente regional.

O Juntos pela Catalunha, de centro-direita, e a Esquerda Republicana da Catalunha “estão de acordo para apoiar Carles Puigdemont como candidato à presidência da região da Catalunha”, anunciaram os dois partidos em comunicado conjunto, que não especifica se o acordo implica a aceitação de uma investidura à distância.

Esta era a opção defendida pelo antigo presidente destituído pelo Governo de Madrid, que partiu para a Bélgica horas antes da sua acusação em Espanha por rebelião, sedição e desvio de fundos e sujeito a uma colocação imediata em prisão preventiva se reentrar em Espanha.

Esta manhã, os deputados catalães estão a votar a composição da nova Mesa do Parlamento. A esta sessão, segue-se um prazo de dez dias úteis até ao primeiro debate da investidura do do presidente da Generalitat (o governo catalão).

Para já, Carles Puigdemont continua em Bruxelas e não pediu delegação de voto na sessão que está a decorrer esta quarta-feira, mas já fez saber que pretende estar presente na cerimónia de investidura.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Puigdemont volta a ser empossado presidente da Catalunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião