Turismo em Espanha bate recordes. Catalunha piora

  • ECO
  • 28 Dezembro 2017

Turismo catalão desacelera pelo segundo mês consecutivo, sofrendo o pior novembro desde 2014. Já em Espanha, o setor expande-se largamente, atingindo recordes e níveis de crescimento de 9,1%.

Enquanto o turismo espanhol bate recordes de crescimento, o catalão desacelera. A instabilidade política gerada em torno do referendo sobre o futuro dessa região autónoma explica essa disparidade. No último mês, Espanha registou assim um aumento de 7,4% de visitantes face ao mesmo período do ano passado. Já na Catalunha, o turismo caiu 2,3%, em termos homólogos.

Nos primeiros 11 meses do ano, a Espanha recebeu 4,4 milhões de turistas, ultrapassando largamente o volume total de 2016: até ao final de dezembro do ano passado, 75,3 milhões de turistas tinham vagueado pelo território espanhol. Em contraste, até ao final de novembro deste ano, quase 78 milhões de pessoas (77,8) já visitaram esse país, o que representa um crescimento de 9,1%. A manter-se o ritmo, a nação comandada por Rajoy deverá fechar o ano acima dos 80 milhões de turistas, adianta o El País.

No mês passado, o destino espanhol mais cobiçado foram as Ilhas Canárias, com 1,24 milhões de turistas, isto é, com um crescimento homólogo de 6,7%. Na lista dos mais visitados, segue-se a Catalunha, com menos de um milhão de visitantes (986.712) enfrentando, deste modo, o segundo mês consecutivo de diminuição turística e o pior novembro para este setor nesta região autónoma desde 2014.

Apesar de se manter no topo do ranking em causa, é visível uma desaceleração do turismo catalão na segunda metade do ano. Só nos últimos dois meses, a região perdeu 96 mil visitantes, face ao volume registado em 2016: 73,027 em outubro (momento de tensão devido ao referendo no primeiro dia do mês) e 23,259 em novembro, explica o Cinco Dias. A Catalunha já é mesmo a região que menos cresceu neste área, este ano, expandindo-se apenas 6,06% (contra os 9,1% espanhóis).

Madrid e comunidade Valenciana à boleia

O sofrimento do turismo catalão é sinónimo de crescimento de outras regiões espanholas. Madrid e a Comunidade Valenciana foram as mais beneficiadas pela tormenta política em causa e consequente migração turística, crescendo, respetivamente, 10,8% e 11,6%. Em termos homólogos, a capital espanhola foi visitada por mais 121 mil turistas do que no ano passado e a Comunidade Valenciana por mais 124 mil viajantes.

Quanto à sua origem, os visitantes foram sobretudo britânicos (cerca de um milhão de pessoas, em novembro) e alemães (pouco menos de 600 mil pessoas). Já o número de turistas franceses estagnou nos 535 mil viajantes. Destaque ainda para o aumento considerável dos turistas americanos (31,5%) e russos (25,7%).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo em Espanha bate recordes. Catalunha piora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião