Eleições na Catalunha contam com adesão de 34,51%

Os primeiros dados da participação às 13 horas locais apontam para um nível de adesão ligeiramente abaixo das eleições de 2015.

Os primeiros dados sobre a participação nas eleições para o parlamento regional da Catalunha, convocadas pelo Governo espanhol, apontam para uma adesão de 34,51%, o que fica ligeiramente abaixo do verificado na votação de 2015.

De acordo com o El País (conteúdo em espanhol), tendo em conta uma contagem de 26,59% das meses de voto, a participação às 13 horas locais (12 horas de Lisboa) apontava para uma participação de 34,51% dos eleitores. Esta contagem fica aquém em perto de seis décimas face à adesão de 35,1% que se verificava à mesma hora nas eleições realizadas em 2015.

A ida às urnas na Catalunha, nesta quinta-feira, acontece depois de Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol, ter anunciado a 21 de outubro que iria acionar o Artigo 155 da Constituição espanhola em relação à crise catalã, tendo nesse seguimento convocado eleições antecipadas para este dia 21 de dezembro.

É improvável que destas eleições haja um vencedor claro e, seja o resultado qual for, muito dificilmente haverá um novo referendo ou declaração de independência.

Do ponto de vista das sondagens, a última divulgada mostrava que os partidos separatistas e os partidos a favor de uma Catalunha espanhola poderiam partilhar quase por igual os assentos parlamentares. Tanto de um lado como do outro, porém, os acordos parecem difíceis: os liberais e o Podemos, ambos anti-independência, nunca irão aliar-se para formar Governo, enquanto o separatista Esquerra Republicana está de costas voltadas para com o partido do auto-exilado Puigdemont, ainda em Bruxelas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eleições na Catalunha contam com adesão de 34,51%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião