Moody’s mostra-se tranquila com a geringonça

  • ECO
  • 18 Janeiro 2018

É a única agência de rating que classifica as obrigações da República como lixo, mas isso deve mudar para melhor nos próximos meses. Moody's avalia Portugal a 20 de abril.

A única agência de rating que classifica a dívida nacional como lixo já não se mostra preocupada com os próximos meses. De acordo com a vice-presidente da Moody’s Sarah Carlson, “o risco político interno é muito baixo”, noticia esta quinta-feira o Diário de Notícias.

A Moody’s ainda classifica as obrigações da República como lixo mas isso pode vir a mudar nos próximos meses, escreve o diário, recordando que a agência avalia Portugal a 20 de abril. No outlook relativo à zona euro em 2018, a Moody’s faz um retrato positivo da situação portuguesa e da gestão política e orçamental, revelando estar tranquila com o caminho que deve ser seguido este ano.

Ainda assim, a agência enuncia alguns fatores de tensão que podem vir a complicar o cenário, temendo, por exemplo, que a lenta recuperação dos rendimentos disponíveis reais ou o desemprego muito alto possam dar maior “tração” aos chamados “movimentos políticos anticonsenso”, pondo em causa a continuação das atuais políticas pró-consenso, que respeitam os limites do Pacto de Estabilidade. Sarah Carlson , a analista principal que assina o outlook e uma das vice-presidentes da Moody’s mostra-se tranquila e parece confiar na geringonça. “Avaliamos o risco político interno de Portugal como sendo muito baixo”, refere, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

A esquerda continua a pedir mais reversões nas medidas de austeridade implementadas com a ‘troika’ mas Sarah Carlson responde: “Antecipamos que o Governo português continue a equilibrar o desejo de implementar uma política orçamental que reduz o peso da dívida pública, apesar da necessidade política de manter um apoio amplo das suas alianças parlamentares.”

Portugal consta do grupo de risco mínimo que abrange 16 países do euro. “As duas exceções são Grécia (risco político elevado) e Espanha (risco moderado+), indicou fonte oficial da Moody’s ao jornal. Esta avaliação foi feita em dezembro de 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s mostra-se tranquila com a geringonça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião