Calendário dos ratings. Estas são as datas que tem de estar atento

As principais agências já anunciaram quando vão rever o rating de Portugal em 2018. Todas as decisões são importantes mas todos os caminhos vão dar à Moody's, a única que mantém a República no "lixo".

É uma espécie de almanaque Borda d’Água para os investidores interessados no mercado de dívida nacional. Já todas as principais agências de rating anunciaram quando vão voltar a rever a notação da República portuguesa em 2018. Depois de um ano positivo com as decisões favoráveis da Standard & Poor’s e Fitch de tirar Portugal de “lixo”, todos os caminhos no novo ano vão dar à Moody’s, a mais maldisposta das agências que ainda mantém dúvidas em relação à qualidade da dívida nacional.

Portugal começa uma nova ronda de avaliações logo no dia 16 de março. Nessa sexta-feira, a Standard & Poor’s avalia a notação de “BBB-“, ela que foi a primeira das Big Three a colocar a dívida nacional com estatuto de qualidade (foi em setembro do ano passado). Mas não se esperam grandes novidades tendo em conta que as perspetivas desta agência são estáveis.

Cerca de um mês depois, o dia mais decisivo do ano para o perfil de crédito nacional — e para os cofres dos contribuintes. É no dia 20 de abril que a Moody’s atualiza o rating português. Só falta a avaliação positiva desta agência para Portugal ter o pleno de notações de qualidade da dívida que permite ficar no radar dos principais índices obrigacionistas do mundo. Atualmente, a Moody’s atribui à República um rating “Ba3”, considera as obrigações do Tesouro nacionais como investimento especulativo, mas as perspetivas são positivas. Volta a avaliar Portugal a 12 de outubro, poucos dias antes de o Governo apresentar o Orçamento do Estado para 2019.

De resto, a Moody’s “copiou” o calendário da DBRS, que tem previsto anunciar decisões também a 20 de abril e a 12 de outubro. O outlook do rating “BBB” é estável, o que deixa antever que os canadianos vão deixar tudo na mesma dentro de quatro meses.

A Fitch é a última das agências a colocar o país em exame. Tem agendadas revisões a 1 de junho e a 30 de novembro. Mas depois de ter subido o rating em dois níveis há menos de um mês, sendo a agência que melhor avalia Portugal junto dos mercados, também não deverão surgir grandes novidades.

Os ratings atribuídos pelas agências são importantes para um país na medida em que permitem aos investidores saber a qualidade das dívidas dos vários governos. Estas notações comportam um nível de risco, aferindo a capacidade de um soberano ou empresa de cumprir as suas responsabilidades financeiras. Quanto melhor o rating, maior será a capacidade financeira do emitente e, por conseguinte, menor será a taxa de juro exigida pelos investidores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Calendário dos ratings. Estas são as datas que tem de estar atento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião