Os 5 motivos da Fitch para subir o rating em dois níveis. O principal é a queda da dívida

Que trunfos de Centeno é que levaram a Fitch a subir dois níveis na classificação do rating português? A queda da dívida em 2017 foi o principal, seguido do excedente das contas externas.

Se em setembro a surpresa foi que a Standard and Poor’s subiu o rating sem melhorar o outlook, esta sexta-feira foi a Fitch que surpreendeu tudo e todos com uma subida de dois níveis do rating da República portuguesa. A dívida portuguesa não só saiu da classificação de ‘lixo’ (BB+) como subiu dois níveis, atingido o grau de investimento de BBB com uma perspetiva estável.

Porquê? A Fitch dá várias razões no relatório que acompanha a sua decisão, mas há dois motivos fundamentais: a queda da dívida em 2017 e o excedente das contas externas pelo quinto ano consecutivo.

Acresce que a agência de notação financeira reviu em alta as projeções para o PIB em 0,9 pontos percentuais: ao contrário do que tinha previsto em junho de 2017, a Fitch projeta agora um crescimento económico de 2,6% para este ano — uma estimativa igual à do Governo português e do Banco de Portugal –, mas antecipa uma desaceleração em 2018 para os 1,9%.

  • A dívida pública portuguesa irá ficar abaixo dos 127% do PIB em 2017 — a primeira descida do rácio desde a crise das dívidas soberanas — e a trajetória vai continuar nos próximos anos;
  • As contas externas de Portugal vão registar um excedente pelo quinto ano consecutivo, “apesar do crescimento na procura interna”, o que traduz “melhorias estruturais” na competitividade do país face ao exterior;
  • Portugal registou melhorias “significativas” no défice, sendo que a Fitch acredita que o Governo vai cumprir a meta de 1,4% para este ano. Contudo, a agência de rating prevê que o défice fique inalterado em 2018, ao contrário do ajustamento que Centeno estima;
  • O PIB vai crescer mais do que o esperado pela agência (2,6%) em 2017 e o desempenho “forte” do mercado de trabalho confirma a sustentabilidade do crescimento económico;
  • O sistema financeiro está melhor depois da recapitalização da CGD e BCP e com a venda do Novo Banco, mas persiste o problema do malparado. No entanto, a Fitch acredita que o ciclo económico favorável irá, gradualmente, normalizar o setor bancário;

Ainda assim, a Fitch ressalva que a mediana da dívida dos países classificados de BBB pela Fitch é de 41% do PIB enquanto a dívida de Portugal continuará acima dos 100% nos próximos anos — mais do dobro. Além disso, a abertura ao comércio de Portugal é mais baixa do que a mediana dos países que estão no BBB.

Em reação à decisão da Fitch, Mário Centeno já garantiu que os esforços de consolidação são para continuar. O Ministério das Finanças destacou “a magnitude sem precedentes desta reavaliação”, com a subida de dois níveis, assinalando que esta decisão “vai permitir a entrada da dívida em mais índices de dívida soberana”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os 5 motivos da Fitch para subir o rating em dois níveis. O principal é a queda da dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião