Portugal entra no radar dos grandes índices de obrigações já este ano

Três dos cinco principais índices de obrigações vão incluir Portugal já no final do ano, depois da Fitch ter retirado o país do "lixo". Governo terá de esperar por abril e Moody's para fazer pleno.

Índices de obrigações de referência já captam o sinal de Portugal nos seus radares.

É o regresso de Portugal à primeira liga da dívida pública. A Fitch retirou o país do nível “lixo” esta sexta-feira e essa decisão vai colocar os títulos portugueses no radar dos principais índices obrigações ainda este ano. São investidores que vão passar a comprar elevados volumes de dívida nacional nas suas carteiras a partir do final do mês. Mas o Governo terá de esperar por abril e pela Moody’s para fazer o pleno nos cinco índices de referência mundiais.

Estes índices investem apenas em títulos de dívida com pouco risco. Só podem comprar obrigações dos Governos que apresentem um rating de qualidade atribuído pelas agências de notação financeira de referência. Por esta razão, Portugal esteve de fora do radar desde a crise da dívida soberana. Esse cenário vai mudar já no final do mês com a melhoria da notação de crédito dada pela Fitch.

É esse o caso do Bank of America Merril Lynch Broad Market Index, do Markit € iBoxx Overall Index e do Barclays Euro Aggregate Index. Estes três índices vão passar a adquirir automaticamente obrigações do Governo português assim que procederem ao ajustamento mensal das suas carteiras até final de dezembro. Como critério de elegibilidade, estes índices usam a média das avaliações de rating atribuídas a um país pelas “Big Three”, Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch. Desde esta sexta-feira que Portugal passou a cumprir este critério: soma avaliações positivas da S&P e agora da Fitch.

Mas cada índice tem as suas próprias políticas e timings de inclusão.

Por exemplo, fonte do índice Bank of America Merril Lynch Broad Market Index explicou ao ECO que “assim que a média das três agências se situar em investimento de qualidade, as obrigações desse país são incluídas nos índices de investimento de qualidade no final do mês em que há essa melhoria, desde que a melhoria tenha ocorrido, pelo menos, três dias úteis anteriores ao último dia do mês“.

Já no iBoxx EUR e no Bloomberg/Barclays Euro Aggregate Index, a inclusão das obrigações também ocorrerá de forma automática no final do mês após o ajustamento das respetivas carteiras. “Qualquer mudança intermensal do rating será considerada durante o rebalanceamento do final do mês”, adiantaram o responsáveis do iBoxx ao ECO.

Moody’s separa Portugal do JPMorgan

Citi só em abril, JPMorgan à espera da Moody’s

Em setembro, depois de a agência S&P ter sido a primeira desde a crise a indicar que Portugal já não é considerado um investimento especulativo, as obrigações portuguesas passaram a ficar qualificadas para o índice Citi Euro Broad IG Index. Este índice exige apenas uma nota de investimento de qualidade de uma das três grandes agências para integrar a dívida na sua lista de compras.

Portugal já entrou no índice? Ainda não. Isto porque o Citi tem regras um pouco mais restritivas na inclusão de um Governo no seu índice. “Se continuar a cumprir todos os requisitos durante três meses consecutivos após o anúncio, o mercado irá juntar-se ao EuroBIG no final dos três meses que se seguirem”, lê-se nas regras deste fundo. Ou seja, só em abril é que começa a comprar títulos de dívida da República.

Certo é que neste momento Portugal vai continuar arredado do índice JPMorgan EMU IG. Este índice tem como requisito que todas as três agências atribuam uma notação de investimento de qualidade, algo que o Governo não cumpre porque falta a Moody’s dar o seu aval.

Portugal não estará assim qualificado para o índice do JPMorgan até que a Moody’s também classifique o país como investimento de qualidade. Isto é diferente dos outros índices de referência, que apenas pedem dois ratings de qualidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entra no radar dos grandes índices de obrigações já este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião