IGCP vê nova emissão de obrigações para o retalho este ano “com pouca probabilidade”

Cristina Casalinho, presidente do IGCP, adiantou que "dificilmente" haverá nova emissão de obrigações dirigidas para as famílias este ano, como aconteceu nos últimos dois anos.

Ao contrário dos últimos dois anos, o IGCP não deverá ir ao mercado no final do ano em busca de financiamento junto das famílias através de nova emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), revelou a gestora da dívida pública Cristina Casalinho. “Não podemos dizer que as portas estão fechadas, mas vemos com pouca probabilidade a realização de uma nova emissão de OTRV“, disse a presidente do IGCP.

“Se reparar, as OTRV estão encerradas, já cumprimos o programa para este ano”, explicou Casalinho, à margem da 2.ª edição do “M&A Outlook: Portugal Breakfast Briefing”, em Lisboa, organizado pela Mergermarket.

Tanto em 2016 como em 2017, o IGCP realizou emissões de OTRV na reta final do ano para aproveitar a maior disponibilidade financeira das famílias com o recebimento do subsídio de Natal.

Este ano, o IGCP já realizou uma emissão de OTRV, durante o mês de julho, numa operação através da qual conseguiu levantar um montante de 1.000 milhões de euros em títulos a sete anos. O Orçamento do Estado prevê novo financiamento de 1.000 milhões de euros em OTRV no próximo ano, que vão ajudar a compensar as saídas nos certificados do Estado.

Portugal a negociar reembolso ao FMI

Após o leilão de dívida desta quarta-feira, que permitiu a Portugal obter um financiamento de 1.250 milhões de euros, o IGCP revelou que se está a negociar com os parceiros europeus a possibilidade de reembolsar antecipadamente a ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Já pagámos 83% do empréstimo ao FMI, pagámos a tranche mais cara. Já tínhamos cumprido o programa de financiamento em termos de emissões de médio e longo prazo para este ano. Estão a decorrer as negociações relativas à possibilidade de reembolsar antecipadamente também parte da tranche mais barata e é nesse sentido que estamos a trabalhar. O leilão de ontem já será orientado para essa necessidade“, adiantou Cristina Casalinho.

Sobre os resultados da operação, a responsável disse que foi “um bom leilão”, com “taxas que saíram abaixo das taxas que o mercado a transacionar em mercado secundário”.

Pressão italiana? Casalinho recusou a ideia de que a crise orçamental em Itália esteja a condicionar o seu trabalho na gestão da dívida pública portuguesa, argumentando que “os países ibéricos têm evidenciado um comportamento distanciado do que se tem vindo a observar em Itália”.

“Temos visto que desde o início do ano Portugal tem estado a transacionar muito próximo de Espanha, com uma correlação muito forte em relação a Espanha. A ligação a Itália tem vindo a ser de alguma forma esmorecida. A ideia que existe no mercado é que a Itália será um fator idiossincrático e que tenderá a não ter ramificações ou efeitos de contágio muito significativos”, disse.

Por outro lado, Casalinho defendeu que as melhorias do rating também está a ajudar Portugal a proteger-se da turbulência nos mercados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IGCP vê nova emissão de obrigações para o retalho este ano “com pouca probabilidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião