PCP ainda espera vitórias orçamentais antes das eleições

  • ECO
  • 15 Novembro 2018

"Contamos com avanços na proteção social em relação ao abono pré-natal e em relação aos cuidadores informais, aos desempregados de longa duração...", diz Jerónimo de Sousa.

Jerónimo de Sousa, numa entrevista conjunta do Público e da Rádio Renascença, publicada esta quinta-feira, admite que ainda espera algumas vitórias orçamentais antes do fim da legislatura. Aos 70 anos, ainda lhe faltam dois anos para terminar o mandato como líder do PCP, garante que não vai calçar as pantufas e que irá continuar a dar contribuir.

“É possível, no quadro do Orçamento, dar resposta a alguns problemas. Contamos com avanços na proteção social em relação ao abono pré-natal e em relação aos cuidadores informais, aos desempregados de longa duração…”, afirmou Jerónimo de Sousa.

Concretamente em relação aos cuidadores informais, o líder comunista refere que o partido “defende apoios sociais para esse trabalho meritório” e quer responsabilizar “o Estado”. “Estamos ainda em fase de negociação”, frisou.

Em simultâneo, Jerónimo de Sousa reiterou que o PCP vai votar contra a taxa de proteção civil que o Governo pretende criar ao nível nacional, em todos os municípios. A medida obriga os cidadãos e as empresas que desenvolvam atividades de risco — como risco de incêndio, por exemplo — a pagarem uma nova taxa, mas tudo aponta que a ideia não chegue a sair do papel.

Quanto ao inquérito a Tancos, o líder do PCP considera que assunto é “grave” e defende que é mais importante saber quem roubou o material e para quê do que apurar um eventual encobrimento. “Isso é o elemento crucial tanto da investigação criminal como do inquérito parlamentar”, frisou. Jerónimos de Sousa deixou ainda uma nota de desconfiança quanto às intenções do CDS em relação à comissão de inquérito. “Os objetivos do CDS, para mim, não são claros. O CDS não só pediu a demissão do ministro da Defesa como de um chefe militar, o chefe de Estado Maior do Exército. Isto não é coisa pequena.”

Num registo mais pessoal, Jerónimo de Sousa, líder do PCP há 14 anos, e a dois de terminar o seu mandato como secretário-geral, prometeu continuar a dar o seu contributo ao partido mesmo que as responsabilidades sejam alteradas. “Posso garantir que não vou calçar as pantufas”, disse não querendo acrescentar novidades sobre a liderança do partido, é uma questão que ainda não se coloca agora.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PCP ainda espera vitórias orçamentais antes das eleições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião