Costa recusa divergências com Marcelo sobre Tancos

"Pela minha parte o Governo é um livro aberto não tenho nada a esconder", garante Costa. O primeiro-ministro defende que sempre esteve em convergência com o Presidente da República sobre Tancos.

António Costa reafirma que está em convergência com o Presidente da República, e que a administração não teve conhecimento de que houvesse alguma operação ou ações ilegais no caso das armas roubadas em Tancos.

“Não dei nenhum conselho ao Presidente da República, pelo contrário sublinhei a total convergência que temos tido sobre esta matéria”, disse o primeiro-ministro em declarações no Web Summit, transmitidas pela RTP 3. Em causa estão as afirmações do primeiro-ministro nas quais terá sugerido que Marcelo Rebelo de Sousa deveria ser menos ansioso.

“Aquilo que sei é que, desde o primeiro dia, o Governo e o Presidente têm tido uma posição absolutamente convergente no que diz respeito a esta matéria”, destaca António Costa. Adianta, no entanto, que o Governo tem de agir com maior recato porque sempre que faz comentários é “mal interpretado” como querendo ter influência sobre o poder judicial, enquanto o “PR tem a idoneidade de poder fazer comentários sem que seja feita essa leitura”.

“Toda a gente de boa-fé interpretou bem as minhas palavras”, apontou, ao que acrescentou: “Não podem distorcer as minhas palavras, porque as minhas palavras não permitem ser distorcidas”.

Sobre a comissão de inquérito, que já foi aprovada e vai tomar posse na próxima semana, dia 14, o primeiro-ministro diz que espera que seja útil e que “apure tudo o que e necessário apurar”. Pela minha parte o Governo é um livro aberto não tenho nada a esconder“, garante Costa, que afirma que desconheciam totalmente que houvesse alguma operação.

Costa relembra ainda que há uma investigação criminal em curso, que espera que permita identificar quem roubou, se há cúmplices ou outras ações de perturbação da investigação. Reforça que “o essencial é que tudo se esclareça”, adiantando que “estamos totalmente disponíveis para colaborar com quem seja necessário”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa recusa divergências com Marcelo sobre Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião