Tancos. Costa repudia tentativa de envolvimento das Forças Armadas em jogos de poder

  • Lusa
  • 5 Novembro 2018

"É absolutamente lamentável a tentativa de partidarização e o jogo político em torno das nossas Forças Armadas", disse o primeiro-ministro, no quadro do polémico caso de Tancos.

O primeiro-ministro afirmou-se, esta segunda-feira, em “total convergência” com o Presidente da República no repúdio sobre tentativas de partidarização e de envolvimento das Forças Armadas “em jogos de poder” na sequência do caso de Tancos.

No domingo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que não será tolerado o uso da instituição militar para “jogos de poder”, num discurso na cerimónia que assinalou os cem anos do armistício da I Guerra Mundial, em 11 de novembro de 1918.

“Essas palavras, uma vez mais, reafirmam a total convergência entre o Governo e o Presidente da República sobre essa matéria. É absolutamente lamentável a tentativa de partidarização e o jogo político em torno das nossas Forças Armadas“, reagiu o líder do executivo.

António Costa declarou ainda que se trata “de um caso lamentável que compete às autoridades judiciárias investigar” e que compete ao poder político “respeitar e confiar nas autoridades para que levam até ao final todas as suas investigações”.

Nesse sentido, o primeiro-ministro disse desejar uma conclusão rápida das investigações ao caso de Tancos e advertiu que ninguém compreenderia se, no final, o processo terminasse sem se esclarecer o crime.

António Costa assumiu esta posição sobre o caso do roubo de armas em Tancos, perante os jornalistas, após ter presidido à sessão de abertura da Venture Summit, no Convento do Beato, em Lisboa.

O primeiro-ministro começou por salientar “a confiança” no poder judicial e, em concreto, na Polícia Judiciária, a entidade a quem está a cargo a investigação, deixando depois uma mensagem: “Esperamos que tão depressa quanto possível faça a investigação que aguardamos”.

Para o primeiro-ministro, “não é possível procurar-se criar uma névoa política sobre aquilo que é a atividade das autoridades judiciárias”. Mas, neste ponto, António Costa foi mais longe, criticando “teorias conspirativas bastante absurdas, como procurando ver qualquer confrontação entre o Presidente da República e o Governo sobre esta matéria, quando, quer um, quer outro, têm tido uma posição absolutamente convergente desde o primeiro dia”.

Antes das referências ao poder judicial, o líder do executivo procurou centrar qual a missão do Governo após ter sido conhecido o roubo de armamento na base de Tancos.

Pela parte do Governo, de acordo com António Costa, assim que houve conhecimento de falhas de segurança na Base de Tancos, o anterior ministro da Defesa, Azeredo Lopes, “ordenou a aquisição de equipamento que não tinha sido anteriormente instalado”.

“Após o assalto [em Tancos], foi feita uma verificação em todos os paióis e realizada pelas Forças Armadas uma operação de grande risco, mas que foi muito bem-sucedida, no sentido de se proceder à transferência integral de todo o material para novos paióis. É isso que compete ao poder político”, acentuou oi líder do executivo.

(Notícia atualizada às 12h02).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos. Costa repudia tentativa de envolvimento das Forças Armadas em jogos de poder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião