CTT juntam-se ao AliExpress para o Black Friday da China

Os utilizadores portugueses vão ter acesso exclusivo a uma plataforma cheia de produtos com descontos e promoções. As encomendas serão entregues pelos CTT e a China Post.

A empresa dos correios portuguesa aliou-se ao AliExpress naquele que é conhecido como o Festival das Compras, uma espécie de Black Friday na China. Com esta parceria, os clientes nacionais têm acesso a uma plataforma exclusiva, acessível através do site dos CTT, beneficiando de descontos extra.

São várias as promoções, cupões de desconto e vales que já estão à distância de um click e vão estar até aos dias 11 e 12 de novembro. Com a união dos CTT ao AliExpress — pertencente ao Grupo Alibaba –, os utilizadores portugueses que realizem compras na plataforma vão ter acesso a descontos exclusivos, anunciou a empresa dos correios em comunicado.

O acesso a esta plataforma exclusiva deverá ser feito através do site dos CTT e os clientes portugueses terão ainda disponíveis os serviços de envio ePacket e China Post Registered Mail para receberem pela empresa nacional as suas encomendas, lê-se no comunicado.

“Esta parceria mostra bem a importância crescente do e-commerce em Portugal e o papel dos CTT na liderança e desenvolvimento deste ecossistema. A associação a um gigante de comércio eletrónico como o AliExpress permite às duas empresas dar a conhecer, de forma coordenada, as capacidades no âmbito das vendas na internet para todo o mundo, do lado da AliExpress, e das entregas à escala de todo o território nacional, do lado dos CTT“, diz Alberto Pimenta, diretor de e-commerce da empresa dos correios.

O Festival “Double Eleven” acontece desde 2009 e tem o seu ponto alto no chamado “Dia dos Solteiros”, semelhante ao “Black Friday”, em que os produtos à venda na plataformas apresentam descontos muito competitivos. O AliExpress conta atualmente com mais de 100 milhões de utilizadores e, só no ano passado, contou com mais de 17 milhões de compradores durante o Festival das Compras.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT juntam-se ao AliExpress para o Black Friday da China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião