União Europeia dá luz verde à redução do IVA dos jornais online e livros digitais

"Esta proposta faz parte dos nossos esforços para modernizar o IVA para a economia digital e permite-nos acompanhar o progresso tecnológico", referiu o ministro austríaco das Finanças.

A União Europeia (UE) quer acompanhar o progresso tecnológico e, ao mesmo tempo, incentivar o setor cultural e da imprensa. Para isso, os ministros das Finanças da UE decidiram possibilitar que os Estados-membros reduzam as taxas de IVA dos livros digitais (e-books), dos jornais online e de outras publicações eletrónicas, de acordo com a Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Atualmente, estes têm de ser taxados a um valor mínimo de 15%, porque são tratados como serviços eletrónicos. “Esta proposta faz parte dos nossos esforços para modernizar o IVA para a economia digital e permite-nos acompanhar o progresso tecnológico”, referiu o ministro austríaco das Finanças, Hartwig Löger, justificando assim a equiparação das publicações digitais às físicas.

Pierre Moscovici, comissário europeu da economia, também comentou o acordo. Na sua conta oficial de Twitter fez uma publicação onde mostrou considerar que “esta é uma boa notícia para a imprensa e para o setor cultural”.

Taxas de IVA muito baixas ou mesmo zero só serão permitidas nos Estados-membros que, atualmente, já as “aplicam nas publicações físicas”, explicou o Conselho da União Europeia.

Depois de mais de dois anos de negociações, o acordo acaba de ser alcançado no Conselho dos Assuntos Económicos e Financeiros, que agrega os ministros das Finanças dos 28 Estados-membros, mas ainda terá de ser aprovado formalmente pelos Chefes de Estado em Conselho Europeu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia dá luz verde à redução do IVA dos jornais online e livros digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião