União Europeia perde quase 150 mil milhões de euros de receitas de IVA. Portugal perde 1,8 mil milhões

  • Lusa
  • 21 Setembro 2018

Em 2016, os chamados “desvios do IVA” registaram, em termos nominais, uma redução de 10,5 mil milhões de euros face a 2015, mas continuaram a ser bastante avultados.

Os Estados-membros da União Europeia perderam quase 150 mil milhões de euros de receitas de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) em 2016, tendo Portugal perdido praticamente 1,8 mil milhões, estima a Comissão Europeia.

De acordo com um novo estudo publicado esta sexta-feira pelo executivo comunitário, em 2016 os chamados “desvios do IVA” — a diferença entre as receitas esperadas e o montante efetivamente cobrado — registaram, em termos nominais, uma redução de 10,5 mil milhões de euros face a 2015, mas continuaram a ser bastante avultados, representando 12,3% das receitas totais previstas de IVA no conjunto da União.

Segundo Bruxelas, “o desempenho individual dos Estados-membros ainda varia significativamente”, com os desvios do IVA a diminuírem em 22 Estados-membros, entre os quais Portugal, que voltou a reduzir, pelo terceiro ano consecutivo, as perdas de receitas de IVA, mas a aumentarem em seis, entre os quais Reino Unido e França.

Em Portugal, o desvio do IVA, no montante estimado de 1.784 milhões de euros, representou cerca de 10% do total de receitas previstas, precisamente em linha com a média da UE, o que representa um recuo face aos 13% de 2015, ano em que os cofres nacionais terão perdido mais de 2,2 mil milhões de euros.

“Os Estados-membros têm vindo a melhorar a cobrança do IVA em toda a UE. Há que reconhecê-lo e elogiá-lo. Mas uma perda de 150 mil milhões de euros por ano para os orçamentos nacionais continua a ser inaceitável, especialmente quando 50 mil milhões de euros vão para os bolsos dos criminosos, dos autores de fraudes e provavelmente mesmo dos terroristas”, comentou o comissário europeu dos Assuntos Económicos.

Segundo Pierre Moscovici, “uma melhoria substancial só será possível com a adoção da reforma do IVA” que Bruxelas propôs há um ano, razão pela qual exortou os Estados-membros “a avançarem com o regime definitivo do IVA antes das eleições para o Parlamento Europeu em 2019”.

Há praticamente um ano, a 4 de outubro de 2017, a Comissão Europeia apresentou os seus planos para “a maior reforma em 25 anos” das regras comunitárias em matéria de IVA, com a qual conta reduzir em 80% o valor das fraudes.

A ideia do executivo comunitário com a reforma do sistema de IVA — criado há um quarto de século, de forma temporária, em paralelo com o nascimento do mercado único — é taxar as vendas de bens a partir de um país da União Europeia para o outro nas mesmas condições se os bens fossem vendidos dentro de um só Estado-membro, “o que criará um novo e definitivo regime de IVA para a UE”.

Apontando já na altura que se perdem anualmente cerca de 150 mil milhões de euros de IVA, “o que significa que os Estados-membros se veem privados de receitas que poderiam utilizar em escolas, estradas e cuidados de saúde”, a “Comissão Juncker” sustenta que, “de acordo com estimativas, este montante poderia ser reduzido em 80% com a reforma” por si proposta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia perde quase 150 mil milhões de euros de receitas de IVA. Portugal perde 1,8 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião