Taxistas continuam paralisação pelo terceiro dia consecutivo

  • Lusa
  • 21 Setembro 2018

Os taxistas admitem permanecer na rua até à próxima segunda-feira, dia em que serão recebidos na Presidência da República.

Os taxistas prosseguem esta sexta-feira em Lisboa, no Porto e em Faro uma jornada de luta iniciada às 05h00 de quarta-feira, com o objetivo de travar a lei que regulamenta as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros, como a Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé, e que entra em vigor a 1 novembro.

As pretensões dos taxistas não foram atendidas pelos grupos parlamentares, pelo que as associações representativas do setor decidiram manter o protesto até o Governo mostrar que quer negociar.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, estimou que, na passada quinta-feira, o protesto tenha contado com cerca de 270 táxis parados em Faro, 400 no Porto e cerca de 1.400 em Lisboa.

O presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, reiterou que a concentração é para manter até que o Governo assegure negociar medidas que garantam a sobrevivência do setor do táxi face à concorrência das plataformas eletrónicas de transporte.

Os taxistas admitem permanecer na rua até à próxima segunda-feira, dia em que serão recebidos na Presidência da República. Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou que a questão está “nas mãos da Assembleia da República” e disse aguardar a posição dos partidos e do Governo, depois de ter “havido manifestação de vontade de alguns grupos parlamentares em reverem, repensarem ou reajustarem a lei ou de a completarem”, salientando que “a nova lei dos táxis ficou de ser completada” com a entrada em vigor da legislação sobre as plataformas eletrónicas.

Avenida da Liberdade, Aliados e aeroporto de Faro

Em Lisboa, as duas faixas ‘Bus’ da Avenida da Liberdade continuavam esta manhã (sexta-feira), pelo terceiro dia consecutivo, preenchidas com táxis em protesto contra a entrada em vigor da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

Segundo constatou a agência Lusa no local, cerca das 07h30, a maior parte das viaturas estacionadas ao longo da Avenida da Liberdade estão vazias e muitas delas têm na janela bandeiras vermelhas e brancas com a inscrição “Somos Táxi”.

Já no Porto, cerca de 300 taxistas continuam em protesto na avenida dos Aliados, “apesar das contas que há para pagar no final do mês”. Luís Letra é dono de sete táxis que operam na cidade, tem seis deles parados no centro do Porto e um a cumprir serviços mínimos. Apesar disso, naquele que é o terceiro dia de protesto, garantiu que fica “o tempo que for preciso”.

“Até ver a Constituição Portuguesa ser cumprida, Constituição que prova que os [carros da] Uber são ilegais, não saio daqui. Já estive em outros protestos e participo porque posso perder negócio hoje, mas o que podemos ganhar no futuro vale a pena”, referiu.

Ao seu lado, Aníbal Dias, motorista de táxi há 30 anos, explica que não dorme há duas noites porque acredita na justeza do protesto e sabe que a família o apoia e compreende. “Estou habituado a passar noites sem dormir por causa do trabalho, mas neste caso a motivação ainda é maior. Vamos até ao fim. Vamos até ao final do mês ou depois se for preciso”, disse à Lusa, frisando que a causa da concentração “é mais importante do que ir a casa ou comer direito”, ainda que, conta, “nem se possa queixar”.

Luís Letra e Aníbal Dias fazem parte do grupo que esta sexta-feira acolheu o desafio do presidente da Federação de Táxis do Porto e do vice-presidente da ANTRAL, José Monteiro, para se sentarem nas escadas junto à Câmara Municipal do Porto para tirar um “retrato de família”.

A sul, os taxistas também continuam os protestos, junto ao aeroporto de Faro.

Francisco José Pereira, da cooperativa Rotáxis Faro, tem sido uma das vozes representativas dos taxistas paralisados em Faro e reconheceu que as condições de higiene e logísticas já não são as melhores, mas os cerca de 200 participantes que têm os carros parados na Estrada Nacional 125/10, junto ao aeroporto algarvio, esperam que esta sexta-feira haja desenvolvimentos que vão ao encontro das suas reivindicações.

Com os dias a passar e o cansaço a acumular-se, o representante disse não acreditar “que os políticos hoje não vão intervir” para permitir uma revisão da nova legislação das plataformas eletrónicas de transporte em veículo descaracterizado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxistas continuam paralisação pelo terceiro dia consecutivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião