Taxistas continuam paralisação pelo terceiro dia consecutivo

  • Lusa
  • 21 Setembro 2018

Os taxistas admitem permanecer na rua até à próxima segunda-feira, dia em que serão recebidos na Presidência da República.

Os taxistas prosseguem esta sexta-feira em Lisboa, no Porto e em Faro uma jornada de luta iniciada às 05h00 de quarta-feira, com o objetivo de travar a lei que regulamenta as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros, como a Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé, e que entra em vigor a 1 novembro.

As pretensões dos taxistas não foram atendidas pelos grupos parlamentares, pelo que as associações representativas do setor decidiram manter o protesto até o Governo mostrar que quer negociar.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, estimou que, na passada quinta-feira, o protesto tenha contado com cerca de 270 táxis parados em Faro, 400 no Porto e cerca de 1.400 em Lisboa.

O presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), Florêncio Almeida, reiterou que a concentração é para manter até que o Governo assegure negociar medidas que garantam a sobrevivência do setor do táxi face à concorrência das plataformas eletrónicas de transporte.

Os taxistas admitem permanecer na rua até à próxima segunda-feira, dia em que serão recebidos na Presidência da República. Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou que a questão está “nas mãos da Assembleia da República” e disse aguardar a posição dos partidos e do Governo, depois de ter “havido manifestação de vontade de alguns grupos parlamentares em reverem, repensarem ou reajustarem a lei ou de a completarem”, salientando que “a nova lei dos táxis ficou de ser completada” com a entrada em vigor da legislação sobre as plataformas eletrónicas.

Avenida da Liberdade, Aliados e aeroporto de Faro

Em Lisboa, as duas faixas ‘Bus’ da Avenida da Liberdade continuavam esta manhã (sexta-feira), pelo terceiro dia consecutivo, preenchidas com táxis em protesto contra a entrada em vigor da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

Segundo constatou a agência Lusa no local, cerca das 07h30, a maior parte das viaturas estacionadas ao longo da Avenida da Liberdade estão vazias e muitas delas têm na janela bandeiras vermelhas e brancas com a inscrição “Somos Táxi”.

Já no Porto, cerca de 300 taxistas continuam em protesto na avenida dos Aliados, “apesar das contas que há para pagar no final do mês”. Luís Letra é dono de sete táxis que operam na cidade, tem seis deles parados no centro do Porto e um a cumprir serviços mínimos. Apesar disso, naquele que é o terceiro dia de protesto, garantiu que fica “o tempo que for preciso”.

“Até ver a Constituição Portuguesa ser cumprida, Constituição que prova que os [carros da] Uber são ilegais, não saio daqui. Já estive em outros protestos e participo porque posso perder negócio hoje, mas o que podemos ganhar no futuro vale a pena”, referiu.

Ao seu lado, Aníbal Dias, motorista de táxi há 30 anos, explica que não dorme há duas noites porque acredita na justeza do protesto e sabe que a família o apoia e compreende. “Estou habituado a passar noites sem dormir por causa do trabalho, mas neste caso a motivação ainda é maior. Vamos até ao fim. Vamos até ao final do mês ou depois se for preciso”, disse à Lusa, frisando que a causa da concentração “é mais importante do que ir a casa ou comer direito”, ainda que, conta, “nem se possa queixar”.

Luís Letra e Aníbal Dias fazem parte do grupo que esta sexta-feira acolheu o desafio do presidente da Federação de Táxis do Porto e do vice-presidente da ANTRAL, José Monteiro, para se sentarem nas escadas junto à Câmara Municipal do Porto para tirar um “retrato de família”.

A sul, os taxistas também continuam os protestos, junto ao aeroporto de Faro.

Francisco José Pereira, da cooperativa Rotáxis Faro, tem sido uma das vozes representativas dos taxistas paralisados em Faro e reconheceu que as condições de higiene e logísticas já não são as melhores, mas os cerca de 200 participantes que têm os carros parados na Estrada Nacional 125/10, junto ao aeroporto algarvio, esperam que esta sexta-feira haja desenvolvimentos que vão ao encontro das suas reivindicações.

Com os dias a passar e o cansaço a acumular-se, o representante disse não acreditar “que os políticos hoje não vão intervir” para permitir uma revisão da nova legislação das plataformas eletrónicas de transporte em veículo descaracterizado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxistas continuam paralisação pelo terceiro dia consecutivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião