Roubo de Tancos: Ministro da Defesa reconhece “circunstâncias sensíveis”

O novo diretor da Polícia Judiciária Militar acaba de tomar posse, numa cerimónia presidida pelo ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

Azeredo Lopes, ministro da Defesa, afirmou esta terça-feira, durante a tomada de posse do novo diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM), o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Isabel, que “as circunstâncias de hoje são sensíveis e conhecidas de todos, não sendo necessário repisá-las”, referindo-se especialmente à prisão preventiva do coronel Luís Augusto Viera.

O antecessor de Paulo Isabel foi afastado pelo ministro da Defesa depois das recentes revelações sobre o roubo em Tancos, que originaram a detenção de vários militares da Polícia Judiciária Militar e da Guarda Nacional Republicana, entre eles o diretor da PJM, o coronel Augusto Vieira.

Perante este cenário, Azeredo Lopes disse, em declarações transmitidas pela Sic Notícias, que a nomeação de Paulo Isabel “consolida a normalidade e a estabilidade inerentes ao regular funcionamento desta instituição [PJM]”, acrescentando que se trata de uma “instituição que é um capital de valor e que dá, como sempre deu, um contributo para o património comum dos valores que fazem e asseguram um Estado do direito”.

O ministro da Defesa disse, também, que o novo diretor da PJM assumirá o cargo “com grande coragem e sentido de missão”. Ainda assim, assumiu que as circunstâncias que o comandante Paulo Isabel enfrenta são “exigentes”.

Sobre o diretor cessante, Azeredo Lopes apenas disse que o coronel Augusto Vieira, “cuja presunção de inocência não se belisca, não dispõe agora das condições factuais e de natureza objetiva para desempenhar as funções para as quais fora designado”.

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roubo de Tancos: Ministro da Defesa reconhece “circunstâncias sensíveis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião