Gastos com aumento salarial na Função Pública não devem passar 50 milhões de euros

  • ECO
  • 2 Outubro 2018

O Governo propôs três cenários de aumentos para a Função Pública, que diferem no número de funcionários abrangidos e na dimensão do aumento, e que vão de cinco a 35 euros.

O Governo está em negociações para o aumento dos salários dos funcionários públicos, e já projetou vários cenários. Em qualquer que seja a modalidade, a subida não deve representar um custo superior a 50 milhões de euros.

São três possibilidades, que diferem no número de pessoas e na dimensão do aumento, segundo escreve o Observador. Mas o montante disponibilizado, sem ultrapassar a marca dos 50 milhões, é inferior ao alocado para outras medidas, como o aumento de pensões ou a redução do IRS, e será inferior ao desejado pelos partidos de esquerda.

As propostas iniciais que o Governo apresentou para aumentar os salários da Função Pública variam entre cinco e 35 euros. Ou são aumentados os salários mais baixos, ou se escolhe uma fatia maior mas o valor do extra é inferior, ou se aplica a todos os funcionários, mas com um aumento reduzido, de cerca de cinco euros. Ontem em entrevista à TVI, António Costa disse que na sua opinião, é preferível aumentar os salários mais baixos. “A minha opção pessoal, mas numa negociação a minha vontade vale tanto como as restantes, é que teria maior eficácia concentrar a margem que existe em quem mais precisa, do que disseminar de forma igualitária entre todos, beneficiando todos pouco”, disse.

Para os bloquistas, o aumento em causa deveria abranger todos os funcionários, de modo a, pelo menos, compensar a inflação. Já o PCP insiste que a medida deveria ser negociada com os sindicatos e não no Parlamento. Os sindicatos têm exigido aumentos até 4% (no caso da CGTP).

Para efetuar o aumento salarial, uma das propostas prevê que o Governo elimine os três primeiros níveis salariais da Função Pública que são inferiores a 600 euros, o valor para o qual é expectável que o salário mínimo venha a subir em 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gastos com aumento salarial na Função Pública não devem passar 50 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião