Cristas preferia descida do IRS a aumentos na Função Pública em 2019

  • Lusa
  • 1 Outubro 2018

“Sendo possível, e havendo folga, pensar numa baixa progressiva e generalizada do IRS para todos os portugueses, o que inclui a Função Pública, mas que inclui todos os outros”, disse Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, preferia uma “descida progressiva e generalizada” do IRS para todos a um aumento salarial para a Função Pública no Orçamento do Estado do próximo ano, já admitido pelo primeiro-ministro.

“Gostaria de pensar que, sendo possível, e havendo folga, pensar numa baixa progressiva e generalizada do IRS para todos os portugueses, o que inclui a Função Pública, mas que inclui todos os outros”, afirmou Assunção Cristas, após uma visita ao bairro da Flamenga, Marvila, em Lisboa.

Gostaria de pensar que, sendo possível, e havendo folga, pensar numa baixa progressiva e generalizada do IRS para todos os portugueses, o que inclui a Função Pública, mas que inclui todos os outros.

Assunção Cristas

Líder do CDS

A 15 dias da apresentação do Orçamento, a líder centrista disse compreender bem “o objetivo do Governo”, mas, se dependesse do CDS, a opção seria diferente. Para Assunção Cristas, a “escolha passaria por algo que tivesse impacto em todas as famílias” e não apenas nos trabalhadores da Administração Pública.

Questionada sobre se este seria um Orçamento feito a pensar nas eleições de 2019, Assunção Cristas deu uma resposta curta, com uma referência ao Governo de José Sócrates, em 2009, ano em que os funcionários públicos receberam um aumento de 2,9%. “Em 2009 tivemos um Orçamento assim, vamos ver como é este”, afirmou ainda, recusando fazer muitos mais comentários antes de conhecer o Orçamento do Estado, cuja entrega no parlamento está prevista para 15 de outubro.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, admitiu um “aumento salarial efetivo” na função Oública e previu um “bom Orçamento” para 2019. “Estamos a trabalhar, no quadro das negociações, para ver se há margem para podermos ir um pouco mais além e, para além do descongelamento das carreiras, poder haver, pela primeira vez em muitos anos, algum aumento salarial efetivo e não só reposições ou descongelamentos”, assinalou António Costa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristas preferia descida do IRS a aumentos na Função Pública em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião