Empresas preocupadas com o “aumento brutal na fatura energética”

A Confederação Empresarial de Portugal quer que este Orçamento do Estado traga "estabilidade na carga fiscal", e que não haja aumentos nos impostos, diretos ou indiretos.

O “aumento brutal na fatura energética” é uma das principais preocupações dos empresários portugueses, sinalizada António Saraiva no final da reunião de concertação social que decorreu esta sexta-feira e que contou com a presença do ministro das Finanças e do ministro do Trabalho.

“Algumas empresas estão a suportar aumentos incomportáveis dos custos de energia”, aponta o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), tanto na energia como no CO2.

“Temos de atalhar porque é da competitividade da nossa economia que se trata”, refere António Saraiva em declarações transmitidas pela RTP3. Para o Orçamento do Estado, a exigência dos empresários foca-se num orçamento que traga “estabilidade na carga fiscal”, e que não inclua aumentos nos impostos, diretos ou indiretos.

A aplicação correta do programa Capitalizar foi outro dos pedidos dos patrões, porque as empresas “necessitam” das medidas previstas neste projeto. O financiamento, através de fundos, para a recapitalização das empresas e a melhoria em sede fiscal daqueles que, tendo lucros os reinvestem nas próprias empresas são alguns dos destaques.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas preocupadas com o “aumento brutal na fatura energética”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião