AEP alerta que aumentos na eletricidade são “incomportáveis” para as empresas

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

O presidente da AEP considera que o aumento de “25% a 30%” dos preços da eletricidade, com que estão a ser confrontadas as empresas portuguesas e espanholas, é “perfeitamente incomportável”.

A Associação Empresarial de Portugal afirmou esta quarta-feira que o aumento de “25% a 30%” dos preços da eletricidade, com que estão a ser confrontadas as empresas portuguesas e espanholas, é “perfeitamente incomportável” e tem que ser “mitigado”.

“No mercado ibérico da energia, os preços estão a subir vertiginosamente e a informação que temos, quer do lado português, quer do lado espanhol (até porque muitas das operadoras operam nos dois lados, como Iberdrola, Fenosa e EDP), é que os preços que estão a ser apresentados para a renovação de contratos estão a ser cerca de 25 a 30% superiores aos preços que as empresas tinham nos contratos anuais anteriores”, afirmou o presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Paulo Nunes de Almeida, em declarações à agência Lusa.

Salientando que “isto obviamente tem efeitos de perda de competitividade para as empresas, quer da Galiza, quer de Portugal”, Paulo Nunes de Almeida disse que a associação está, “junto do poder político, a tentar encontrar soluções para mitigar este esforço, que é perfeitamente incomportável”.

“Espanha eliminou um imposto sobre a produção, criado há uns anos para reduzir o défice tarifário, numa decisão do Governo central espanhol que depois os produtores repercutiram nos consumidores”, explicou.

Já Portugal “não tem esse trunfo, porque esse imposto não existe no país, mas já transmitimos ao secretário de Estado da Energia a nossa preocupação, que também é dele, e neste momento estamos a acompanhar o processo no sentido de tentar ver que soluções podem ser tomadas, quer do lado de Espanha, quer do lado de Portugal, para que este problema possa ser, pelo menos, reduzido”, sustentou Nunes de Almeida.

É que, disse, mesmo sendo as subidas das tarifas justificadas com “o aumento das licenças do CO2 [dióxido de carbono], as questões climatéricas ou o encerramento de algumas centrais nucleares em Espanha”, o facto é que, “neste momento, as empresas não estão em condições de o poder comportar”.

O líder parlamentar do Partido Socialista (PS), Carlos César, adiantou na passada terça-feira à RTP3 que o Governo vai tentar baixar a fatura da eletricidade no próximo Orçamento do Estado, mas que não vai ser por via de uma redução da taxa do IVA, já que tal implicaria uma forte perda de receitas.

Questionado se o Governo vai aceitar baixar o IVA da eletricidade novamente para 6%, o valor em vigor antes do período de ajustamento, tal como sugerido pelo Bloco de Esquerda (BE) e pelo Partido Comunista Português (PCP), Carlos César recusou “essa via”, mas admitiu “trabalhar em pares confinantes com esse objetivo, que façam diminuir a fatura especificamente da energia elétrica”.

“Podemos continuar a trabalhar e estamos próximos de uma boa solução para que a fatura da energia elétrica seja menos penalizadora”, garantiu, acrescentando que tal venha a acontecer “talvez atuando na área das renováveis”.

Segundo o líder da AEP, o tema dos preços da energia foi um dos que esteve em cima da mesa numa reunião realizada na semana passada com o Círculo Financiero de Galicia, entidade representativa do setor empresarial e financeiro do Noroeste de Espanha, no âmbito da pretensão conjunta de “intensificar as relações” entre os dois lados da fronteira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AEP alerta que aumentos na eletricidade são “incomportáveis” para as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião