Portugal Ventures está à procura dos melhores projetos turísticos. Candidaturas abrem dia 3 de outubro

Ideia da nova call é desenvolver negócios de turismo, sejam eles de base nacional ou regional. Cada projeto selecionado poderá receber um investimento máximo de um milhão e 500 mil euros.

O objetivo é incentivar a criação de startups e o desenvolvimento de negócios de turismo, de base global, nacional ou regional. Para isso, a Portugal Ventures vai lançar a “Call For Tourism”, cujas candidaturas abrem dia 3 de outubro e prolongam-se até ao próximo dia 20 de dezembro.

“Está lançado o reto aos empreendedores para apresentarem projetos turísticos inovadores que tragam para o mercado produtos e serviços de valor acrescentado para a experiência do turista, aproveitando aspetos como a história, a arte, a arquitetura, o património cultural e natural”, pode ler-se no comunicado enviado pela gestora de capital de risco pública.

Para o concurso serão elegíveis projetos tecnológicos nas áreas da inteligência artificial, realidade virtual e aumentada, internet das coisas, eletrónica, telemóveis, energia limpa, robótica ou marketplaces.

Mas os projetos não tecnológicos também podem concorrer para esta call, desde que sejam nas áreas do alojamento turístico, atividades de animação turística, operadores turísticos, enoturismo, parques temáticos, turismo náutico e turismo equestre

“Esta é uma nova fase da Portugal Ventures que quer investir, não só em soluções tecnológicas, mas também em projetos inovadores nas áreas do alojamento e da animação turística”, afirmou Pedro de Mello Breyner, executive board member da Portugal Ventures.

“Numa altura em que o turismo é um dos setores mais dinâmicos da economia portuguesa, a ‘Call For Tourismvem dar resposta à necessidade de dotar as empresas de uma estrutura de capitais permanentes adequada e criar condições para o financiamento do empreendedorismo no setor, para ir ao encontro de um mercado cada vez mais exigente, com o investimento em soluções inovadoras que permitam o contínuo crescimento do setor”, acrescentou.

A “Call For Tourism” tem disponíveis 18 milhões de euros e cada projeto selecionado poderá receber um investimento até um milhão e 500 mil euros. No entanto, os projetos devem ser promovidos por empresas já constituídas ou a construir, localizadas em Portugal (continental e ilhas), em fase seed, startup ou early stage, que tenham, até ao momento do investimento, sete exercícios económicos completos, desde a data de início da atividade.

As candidaturas devem ser submetidas através do website da Portugal Ventures. Depois de selecionados os melhores projetos para investimento, estes beneficiarão, para além do acompanhamento próximo da equipa da Portugal Ventures na gestão da operação e nas decisões estratégicas, das sinergias criadas entre a sociedade de capital de risco e o Turismo de Portugal para promoção de empresas e dos negócios em Portugal e no mundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures está à procura dos melhores projetos turísticos. Candidaturas abrem dia 3 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião