É cada vez mais difícil às famílias comprar casa. A culpa é do turismo, diz Bruxelas

Os preços das casas não param de subir. Primeiro foi uma correção, mas agora é fruto da pressão do turismo. Bruxelas diz que não há razão para alarme, mas pede monitorização.

De máximo em máximo. Tem sido assim, nos últimos tempos, a evolução dos preços das casas no mercado nacional. Primeiro houve uma correção dos mínimos no período da troika, mas rapidamente passou a assistir-se a uma escalada dos valores dos imóveis para habitação. Bruxelas associa os sucessivos aumentos ao boom do turismo que catapulta os valores nas zonas turísticas, mas também nas residenciais, alertando para a crescente dificuldade das famílias em conseguirem comprar imóvel para viver.

“Os preços das casas aumentaram 12,2% no primeiro trimestre deste ano, em termos homólogos, acelerando face aos 9,2% em 2017″, nota a Comissão Europeia na oitava avaliação pós-programa, notando que as transações cresceram 15,7% em volume e 25,7% em termos de valor.

Preços das casas continuam a acelerar

Fonte: INE

Para Bruxelas, a explicação para este movimento é simples: é o turismo. “A indústria do turismo e o investimento dos estrangeiros está a puxar pelos preços, em particular nas cidades de Lisboa e Porto onde a subida dos preços está bem acima da média”.

"[O boom turístico está] a puxar pelos preços não só nas zonas mais turísticas, mas também nos bairros residenciais, com impacto na capacidade de as famílias comprarem casa, particularmente as que têm menores rendimentos.”

Comissão Europeia

“O rápido aumento da utilização de plataformas de arrendamento de curta duração [como o Airbnb] e a expansão das rotas das companhias aéreas low cost” explicam o sucesso do turismo em Portugal, levando à subida dos preços nas zonas mais turísticas das duas maiores cidades do país, mas também noutras menos turísticas.

Este sucesso turístico tem um custo para as famílias portuguesas, num país em que a maioria compra (em vez de arrendar). O boom turístico está “a puxar pelos preços não só nas zonas mais turísticas, mas também nos bairros residenciais, com impacto na capacidade de as famílias comprarem casa, particularmente as que têm menores rendimentos”.

Subida dos preços vai abrandar. Mas não é já

A Comissão Europeia acredita que a subida dos preços das casas vai, “gradualmente, abrandar a médio prazo”. Porquê? “A recuperação da construção deverá adicionar oferta” no mercado imobiliário, mas “essa só será visível em 2019 já que muitos dos projetos ainda estão em carteira e não terão impacto imediato no mercado”.

Enquanto não chegam mais casas ao mercado, o preço dos imóveis deverá superar, novamente, o teto de 6% acima da inflação. “Será o terceiro ano consecutivo em que supera esse teto”, nota a Comissão Europeia.

"A dinâmica de preços exige uma monitorização mais apertada já que uma potencial correção teria impacto negativo na avaliação dos ativos da banca.”

Comissão Europeia

Neste sentido, e apesar de notar que a subida dos preços está a acontecer num contexto de quebra do crédito para a compra de casa (o saldo tem recuado, apesar do forte aumento na nova concessão de financiamento), Bruxelas diz que “a dinâmica de preços exige uma monitorização mais apertada já que uma potencial correção teria impacto negativo na avaliação dos ativos da banca”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É cada vez mais difícil às famílias comprar casa. A culpa é do turismo, diz Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião