Rui Rio acusa Governo de usar passes sociais para beneficiar do “efeito eleitoral brutal”

  • Lusa
  • 4 Setembro 2018

O presidente do PSD criticou a intenção do Governo de financiar os passes sociais nos transportes públicos, considerando que se trata de uma "medida avulsa".

O presidente do PSD criticou esta terça-feira a intenção do Governo de financiar os passes sociais nos transportes públicos, que considerou uma “medida avulsa”, e acusou o executivo de ter em vista o “efeito eleitoral brutal” daquela iniciativa.

Em declarações aos jornalistas na sede do PSD no Porto, Rui Rio declarou que a questão tem de ser resolvida de uma “forma estruturada”, através da Lei de Finanças Locais, e que a descentralização é o meio de resolver o problema.

“Isto é completamente avulso e não é forma de se resolver o problema. É forma de atenuar o problema. E é atenuar o problema se for igual para o país todo, se for apenas para Lisboa e Porto não é minimamente justo“, afirmou Rui Rio.

Para o líder social-democrata, esta é uma “forma de fazer as coisas bem à portuguesa, tentar remediar, e uma forma bem à medida do Partido Socialista”.

“Temos eleições em 2019, já agora deixa distribuir isto rapidamente, de preferência onde estão os votos, que é nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto”, argumentou, antevendo que a medida em causa terá efeitos nas eleições legislativas de 2019.

“Tem um efeito eleitoral brutal. Portanto, não há que fazer isto direito, há que fazer de qualquer maneira para que esse objetivo seja conseguido”, acusou Rui Rio.

Questionado diretamente se esta questão fazia antever um orçamento eleitoralista, Rio não disse que sim, nem que não: “Têm-se ouvido muitas críticas dizendo que vem aí um orçamento eleitoralista. Ainda não me ouviram dizer isso, eu não conheço o orçamento. Quero acreditar, principalmente pela força que Bruxelas tem nas contas nacionais, que por muito que queiram, não vão conseguir fazer grande coisa”, previu.

“Mas há sempre opções de despesa. Eu posso fazer uma despesa mais simpática e mais de curto prazo ou posso fazer uma mais responsável tendo em vista mais o longo prazo, e é aí que vamos medir o eleitoralismo ou não”, alertou.

Quanto à solução para o preço dos transportes públicos, que Rio admitiu serem elevados, aquela passa por uma remodelação da atribuição de competências: “A gestão deve ser atribuída e depois o modelo de financiamento de acordo com aquilo que são as competências que os municípios em Portugal devem ter e, depois de a Lei das Finanças Locais deixar de tratar de forma igual aquilo que é diferente, porque ela hoje é igual para o pais todo, não já problema nenhum”, referiu.

A ideia de transportes públicos mais baratos, nomeadamente na capital do país e no Porto, foi posta na ordem do dia pelo presidente da Câmara de Lisboa e presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina.

Numa entrevista publicada no sábado pelo jornal Expresso, o socialista defendeu que os passes para circular dentro do concelho deveriam ter um teto máximo de 30 euros, valor que subiria para os 40 euros na área metropolitana.

Esta terça-feira, o jornal Público escreve que o ministro do Ambiente, que tutela os transportes, está a acompanhar esta matéria mas pretende que a medida seja alargada a todo o país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio acusa Governo de usar passes sociais para beneficiar do “efeito eleitoral brutal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião