Depois da Apple, Amazon também já vale um bilião de dólares

A Amazon tornou-se esta terça-feira a segunda empresa em Wall Street a ultrapassar a barreira do bilião de dólares em capitalização bolsista.

A Amazon também já cruzou a meta e tornou-se a segunda empresa em Wall Street a ultrapassar o valor de mercado de um bilião de dólares, ou seja, 1.000.000.000.000 dólares. Este feito surge pouco mais de um mês depois de a Apple se ter sagrado a primeira cotada norte-americana a valer um bilião de dólares (ou one trillion dollars, no original em inglês). A notícia foi avançada pelo The Guardian.

Este é um marco histórico e muito relevante para a gigante fundada pelo norte-americano Jeff Bezos em 1994. A Amazon começou por comercializar livros e, agora, tem ramificações por setores como a tecnologia, o retalho, os conteúdos de entretenimento e os videojogos. Bezos acumula atualmente uma das maiores fortunas pessoais em todo o mundo.

Evolução das ações da Amazon em Wall Street

Os títulos da Amazon estão a valorizar esta terça-feira, numa sessão em que as bolsas norte-americanas estão em queda. Os títulos da empresa tocaram um máximo próximo dos 2.049,91 dólares por ação esta terça-feira, levando a capitalização bolsista a subir acima do bilião de dólares. Entretanto, os títulos corrigiram e estão a avançar 1,19% para 2.036,31 dólares, com a Amazon a valer 993,39 mil milhões de dólares.

A 2 de agosto deste ano, a Apple sagrou-se vencedora desta corrida ao bilião. A fabricante do iPhone sagrou-se a primeira empresa norte-americana e cotada em Nova Iorque a passar a meta do bilião de dólares de valor de mercado. Agora, existem várias empresas bem posicionadas para ocupar o terceiro lugar no pódio: a Alphabet (Google), a Microsoft e o Facebook são alguns exemplos, como escreveu o ECO no final de julho.

(Notícia atualizada às 17h10 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Apple, Amazon também já vale um bilião de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião