Governo propôs aumentos para a função pública entre 5 e 35 euros

  • Lusa
  • 1 Outubro 2018

As propostas iniciais que o Governo apresentou para aumentar os salários da função pública variam entre cinco e 35 euros, dependendo do número de trabalhadores abrangidos.

As propostas iniciais que o Governo apresentou para aumentar os salários da função pública variam entre cinco e 35 euros, dependendo do número de trabalhadores abrangidos, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas às negociações orçamentais.

Os aumentos para os funcionários públicos estão a ser negociados entre o Governo, BE, PCP e PEV no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), não existindo ainda uma decisão final sobre a questão.

Para o arranque das negociações, o Governo levou três cenários possíveis, um dos quais passava por um aumento de cinco euros para todos os funcionários públicos.

O valor que está a ser discutido deverá ser fixo (não percentual), subindo à medida que o universo de trabalhadores abrangido encolhe, dando prioridade aos salários mais baixos, podendo atingir um aumento de cerca de 35 euros.

Alguns detalhes sobre as propostas do Governo foram avançados na sexta-feira à noite, na SIC, pelo antigo líder bloquista Francisco Louçã e confirmados pela Lusa.

O fundador do BE começou por considerar “esplêndido” o facto de o Governo ter mudado de posição, ao admitir aumentos em 2019 no Estado, mas sublinhou, que as propostas são insuficientes, uma vez que os funcionários públicos não são aumentados há uma década.

O problema é que as três propostas que o Governo fez até agora são muito reduzidas: cinco euros para cada funcionário público, só um pequeníssimo aumento para um terço deles, até 835 euros, ou só para um grupo ainda mais pequeno”, adiantou.

As negociações com os partidos ainda não estão fechadas e, na quinta-feira, o Ministério das Finanças recebe os três sindicatos da administração pública para mais uma ronda negocial sobre orçamento.

Os sindicatos exigem aumentos salariais entre 3% e 4% para o próximo ano para todos os trabalhadores.

Na quinta-feira, o líder parlamentar do PS afirmou estar em estudo a possibilidade de o OE2019 contemplar um aumento do salário dos trabalhadores da administração pública, “pelo menos” nos níveis remuneratórios mais baixos.

“Pensamos que é possível trabalhar – e estamos a trabalhar – para ver se há também um aumento da remuneração base, pelo menos até a um determinado nível salarial”, disse o presidente do grupo parlamentar do PS.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo propôs aumentos para a função pública entre 5 e 35 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião