Garantias de Costa não tiram força à greve da Função Pública, diz sindicato

O primeiro-ministro abriu a porta a uma atualização salarial para os funcionários públicos na mesma semana em que os sindicatos marcaram greve na Função Pública para 26 de outubro.

“Se nos vierem com aumentos salariais simbólicos um dia de greve é pouco”. Quem o diz é José Abraão, líder da Fesap, um dos sindicatos da Função Pública que na próxima semana volta ao Ministério das Finanças para uma nova reunião sobre o Orçamento do Estado para 2019.

Neste momento, o sindicalista aguarda a contraproposta do Governo, depois de já terem sido entregues os cadernos reivindicativos para o próximo ano. “Fizemos uma proposta de aumento de 3,5% mas mostrámos disponibilidade para discutir aumentos nominais”, disse ao ECO.

Confrontado com as garantias deixadas esta sexta-feira pelo primeiro-ministro, de que pode haver um aumento “efetivo” nos salários em 2019, José Abraão mostrou satisfação com esta abertura, mas avisou que não se contentarão com aumentos que sejam “simbólicos”.

E o que são aumentos simbólicos? Abraão não quis abrir o jogo reservando essa discussão para a mesa negocial. Agora espera um documento do Governo que explique quais as hipóteses em cima da mesa. “Esperamos uma proposta concreta.”

Na terça-feira, a Frente Comum afeta à CGTP e que também está nas negociações com o Ministério das Finanças, marcou uma greve na Função Pública para 26 de outubro. Em causa está o facto de desde 2009 os trabalhadores da Função Pública não terem atualização salarial.

Na quinta-feira, o líder parlamentar do PS, Carlos César, admitiu estar a ser estudada a hipótese de aumentos, pelo menos para os salários mais baixos, mas o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, referiu depois que o Governo está a estudar “todas as hipóteses”.

Em 2009, os salários da Função Pública tiveram uma atualização de 2,9%. Para o próximo ano está já previsto um aumento de despesa com a Função Pública de 3,7%, decorrente do descongelamento das carreiras, o que significa um aumento salarial de 3,1%, segundo contas das Finanças do início do mês. Esta semana, Costa admitiu que, só com o efeito das medidas já adotadas, o aumento salarial rondará os 2,9%. O Ministério das Finanças continua sem esclarecer ao ECO a diferença entre estes dois números.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garantias de Costa não tiram força à greve da Função Pública, diz sindicato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião