Governo está a estudar “todas as hipóteses” para o aumento de salários na Administração Pública

  • Lusa
  • 28 Setembro 2018

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, diz que ainda não há qualquer decisão e que a única coisa que pode garantir é que “não haverá corte de pensões”.

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, garantiu esta sexta-feira que o Governo “está a estudar todas as hipóteses” e ainda não há qualquer decisão relativamente ao aumento de salários na Administração Pública.

O governante foi questionado pelos jornalistas sobre este assunto à margem de uma conferência sobre o futuro das pensões em Portugal, no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

Na quinta-feira, o líder parlamentar do PS, Carlos César, afirmou estar em estudo a possibilidade de o Orçamento do Estado para 2019 contemplar um aumento do salário base dos trabalhadores da administração pública, “pelo menos” nos níveis remuneratórios mais baixos.

Já esta sexta-feira, o líder parlamentar do PCP saudou a “evolução positiva” na posição do Governo sobre aumentos salariais na administração pública, dizendo que o executivo admite até “uma solução de aumento geral” para todos os funcionários.

“Não há nenhuma decisão. O orçamento será apresentado a 16 de outubro, está a ser preparado pelo Governo e discutido pelos parceiros. Estão a ser estudadas todas as hipóteses”, disse o ministro do Trabalho.

Vieira da Silva lembrou, a propósito, que os “recursos são sempre escassos e têm origem nos impostos dos portugueses e nas suas contribuições e as necessidades são sempre muitas, portanto há sempre escolhas a fazer”.

Assim, segundo o ministro, no próximo Orçamento do Estado, o Governo prosseguirá com a sua política de recuperação de rendimentos, num quadro de “reforço da economia portuguesa, de equilíbrio das contas públicas e do bem-estar das famílias”.

Questionado também sobre a possibilidade de um aumento extraordinário de pensões, o governante disse que a única coisa que pode garantir é que “não haverá corte de pensões”.

“O aumento ordinário estará a pagamento a 1 de janeiro de 2019 e abrangerá cerca de 80% dos pensionistas, acima da inflação, algo que acontece pela segunda vez consecutiva, depois de muitos anos. É um bom sinal, os outros aspetos estão em discussão”, disse.

O ministro do Trabalho e o ministro das Finanças, Mário Centeno, reúnem-se esta sexta-feira à tarde na Concertação Social para discutirem com os parceiros as orientações políticas sobre o Orçamento do Estado do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo está a estudar “todas as hipóteses” para o aumento de salários na Administração Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião