Trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP em greve de 24 horas na segunda-feira

  • Lusa
  • 28 Setembro 2018

Em causa está a ausência de trabalhadores, de mais comboios e de negociações para o contrato coletivo. A paralisação abrangerá também alguns turnos de domingo e de terça-feira.

Vem aí mais uma greve protagonizada pela Comboios de Portugal (CP). Os trabalhadores das bilheteiras vão estar em greve já na próxima segunda-feira, uma paralisação que deverá durar 24 horas. Em causa está a ausência de trabalhadores, de mais comboios e de negociações para o contrato coletivo, segundo fonte oficial.

Em comunicado, o Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) informou ter avançado com um pré-aviso de greve, em representação dos trabalhadores da carreira comercial e de transportes da CP e que a paralisação abrangerá também alguns turnos de domingo e de terça-feira.

O sindicato criticou o Ministério das Finanças por “bloquear os acordos entre o Ministério do Planeamento, a CP e o SFRCI” e estarem, assim, por contratar “88 trabalhadores para o comercial da CP (revisores, trabalhadores para as bilheteiras)”.

O “aluguer do material circulante para fazer face aos problemas existentes também não avançou, o concurso público para compra de novos comboios ainda não foi lançado e a negociação da contratação coletiva que se iniciou na CP em 2016, está paralisada”, lê-se no comunicado.

O sindicato referiu que, em resposta aos seus pedidos de esclarecimento, o “Ministério do Planeamento e Infraestruturas e a Comboios de Portugal afirmaram que o bloqueio à aplicação dos acordos se verificava no Ministério das Finanças”.

“Perante o incumprimento/bloqueio realizado pelo Ministério das Finanças aos acordos celebrados pelo Ministério do Planeamento, CP e SFRCI, aos trabalhadores só resta o conflito laboral, pois não se entende a política de gestão danosa que o Ministério das Finanças impõe à CP”.

Assim, segundo o sindicato, por falta de trabalhadores das bilheteiras, “a CP deixa de cobrar milhares de euros”, enquanto por falta de revisores “existem comboios que transportam cerca de 900 utentes (mais de oito carruagens ou mais de uma unidade indivisível) que por questões de segurança, deveriam circular com dois revisores e circulam só com um, colocando em risco a segurança dos utentes e da circulação”.

“Por falta de material circulante são diariamente suprimidos dezenas de comboios e a oferta de serviços continua a reduzir em especial no interior do país”, lê-se.

O acordo sobre “necessidades urgentes” foi celebrado em setembro em 2017, enquanto em fevereiro de 2018 foi subscrito que o “processo negocial com vista à alteração do Acordo de Empresa (AE) e Regulamento de Carreira (RC) que datam de 1999, seriam negociados com vista à sua aplicação a partir do dia 01 de outubro de 2018”, segundo o sindicato.

A agência Lusa solicitou comentário à CP sobre a marcação desta greve e aguarda resposta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP em greve de 24 horas na segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião