PS estuda aumentar salários mais baixos na Função Pública

  • Lusa e ECO
  • 27 Setembro 2018

Carlos César assumiu esta posição no final da reunião semanal da bancada socialista, na Assembleia da República.

O líder parlamentar do PS afirmou hoje estar em estudo a possibilidade de o Orçamento do Estado para 2019 contemplar um aumento do salário base dos trabalhadores da administração pública, “pelo menos” nos níveis remuneratórios mais baixos.

Carlos César assumiu esta posição no final da reunião semanal da bancada socialista, na Assembleia da República, depois de interrogado se estava excluída a possibilidade de os funcionários públicos terem um aumento do respetivo salário base em 2019.

“Pensamos que é possível trabalhar – e estamos a trabalhar – para ver se há também um aumento da remuneração base, pelo menos até a um determinado nível salarial”, respondeu o presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Perante os jornalistas, o líder da bancada socialista referiu que em 2019, em média, os funcionários públicos terão aumentos na ordem dos 2,9% “por via da entrada em vigor dos descongelamentos”.

Do ponto de vista político, Carlos César advertiu, contudo, que “a postura do PS é a de evitar que, até à conclusão das negociações que envolvem o Orçamento do Estado para 2019, sejam anunciadas manifestações de concordância ou de discordância”.

“Apenas o fazemos com caráter excecional, quando entendemos que é absolutamente necessário clarificar o nosso posicionamento, tal como fizemos a propósito das questões referentes à especulação imobiliária”, declarou o presidente do Grupo Parlamentar do PS, numa alusão às propostas do Bloco de Esquerda sobre este tema.

A informação sobre possíveis aumentos salariais já tinha sido avançada esta semana por Carlos César, numa entrevista à RTP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS estuda aumentar salários mais baixos na Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião