Frente Comum marca greve nacional da Função Pública a 26 de outubro

  • Marta Santos Silva e Lusa
  • 25 Setembro 2018

A paralisação nacional foi decidida por um plenário de dirigentes da Frente Comum, afeta à CGTP. A greve vai abranger os funcionários públicos de todo o país, exigindo salários mais altos.

Um plenário de dirigentes da Frente Comum, participado pelo secretário-geral da CGTP Arménio Carlos, decidiu esta terça-feira agendar uma greve da Administração Pública para o dia 26 de outubro, abrangendo todo o país.

O plenário realizado esta tarde no Jardim das Francesinhas, próximo da Assembleia da República, focou-se nas exigências da Administração Pública de aumentos salariais, que dizem não ter desde 2009, assim como da revisão das carreiras “com respeito pelos conteúdos funcionais e a dignificação dos trabalhadores”, e do descongelamento das carreiras sem faseamento.

“A Frente Comum exige, ainda, que seja travado o chamado processo de «descentralização», “cozinhado” entre PS e PSD. Relembramos que esta matéria não foi objeto de qualquer negociação com as estruturas sindicais”, lia-se ainda no comunicado que anunciava a realização deste plenário de dirigentes.

“Marcámos esta greve porque não podemos aceitar que os trabalhadores da administração pública continuem com os salários congelados por mais um ano”, disse à agência Lusa a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila.

Segundo a sindicalista, os cerca de 400 dirigentes e delegados sindicais que se reuniram hoje foram unânimes quanto à necessidade de avançar com a paralisação, porque “o Governo não parece querer garantir aumentos salariais no próximo ano e a conclusão do descongelamento de carreiras”, entre outras coisas.

“Escolhemos esta data porque, tendo em conta que o Orçamento do Estado vai ser discutido na especialidade em novembro, ainda existem condições para serem introduzidas alterações na proposta do Governo, de modo a dar resposta às reivindicações dos trabalhadores”, disse a coordenadora da Frente Comum, no final do encontro.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Frente Comum marca greve nacional da Função Pública a 26 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião