TAP recuperou mais de metade do capital retido em Luanda

  • ECO
  • 2 Outubro 2018

São cerca de 60 milhões de euros que a transportadora aérea nacional conseguiu repatriar para Portugal. Falta de divisas "prendia" 120 milhões em Angola.

A TAP já conseguiu retirar de Angola cerca de metade dos 120 milhões de euros que estavam retidos, no final do ano passado, por falta de divisas. O Público (acesso condicionado) revela que o processo foi conduzido ao longo de vários meses não tendo sido possível aferir o valor exato que a transportadora nacional conseguiu repatriar para Portugal.

A TAP tinha 80,8 milhões de euros aplicados em dívida de curto prazo do Estado angolano, porque não conseguiu retirar o dinheiro do país. Esta era a solução de ter o dinheiro aplicado num produto financeiro indexado ao dólar e não ao Kwanza. Agora estes pouco mais de 60 milhões de euros representam um alívio de tesouraria para a transportadora, a braços com elevados investimentos, nomeadamente compra de aviões e novas contratações. Recorde-se que a TAP se comprometeu a pagar mensalmente dez milhões de euros à banca para abater a dívida de 600 milhões que tem.

Além do montante investido em dívida pública angolana, a TAP também tinha depositado em Angola o equivalente a 41,6 milhões de euros e, de acordo com o Público, a origem do dinheiro repatriado terá sido maioritariamente dos depósitos já que os títulos do Tesouro têm um calendário próprio, sendo necessário deixar as obrigações chegar à maturidade para não perder o juro que lhes está associado.

Esta expatriação de capitais foi feita antes da visita de António Costa a Angola — a 17 e 18 de setembro –, servindo como um símbolo de desbloqueio das relações entre os dois países. António Costa conseguiu que o Estado angolano reconhecesse parcialmente as dívidas às empresas portuguesas, nomeadamente às construtoras, que no entanto, sofreram perdas avultadas dada a desvalorização do Kwanza.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

TAP recuperou mais de metade do capital retido em Luanda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião