Autoridades indonésias elevam para 1.234 o número de mortos do sismo e tsunami

  • Lusa
  • 2 Outubro 2018

O número de vítimas mortais do terramoto de magnitude 7,5 e posterior tsunami que atingiram a ilha de Celebes já vai nos 1.234, número avançado pelas autoridades.

As autoridades indonésias elevaram esta terça-feira para 1.234 o número de vítimas mortais do terramoto de magnitude 7,5 e posterior tsunami que atingiram a ilha de Celebes, na Indonésia, na passada sexta-feira.

Numa conferência de imprensa em Jacarta, o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho, disse que há 799 pessoas gravemente feridas, acrescentando que nas comunidades de Sigi e Balaroa ainda não foram contabilizadas as vítimas, pelo que o número poderá ser mais elevado.

Entretanto, um dos primeiros voos de evacuação de uma zona devastada pelo terremoto na região central da Indonésia desembarcou em Java Oriental.

O avião de transporte militar C130, que chegou esta terça-feira a um aeroporto militar, transportou dezenas de pessoas, incluindo vítimas feridas que precisavam de mais cuidados e tratamento. Partiu da cidade de Palu, onde centenas de pessoas ainda estão à espera para serem retiradas.

Andi Wijaya, o comandante da base do aeroporto em Java Oriental, diz que sete aeronaves estavam prontas para participar nas operações de evacuação, mas as tripulações têm de ser convocadas para se preparar para os voos.

A situação está cada vez mais desesperante nas áreas severamente danificadas da ilha central de Sulawesi, onde as pessoas estão a ficar sem comida, combustível e outros bens essenciais. O terremoto de magnitude 7,5 e o tsunami causaram pelo menos 1.234 mortes, mas algumas áreas fora de Palu ainda não foram alcançadas.

A Indonésia assenta sobre o chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica onde, em cada ano, se registam cerca de 7.000 terramotos, a maioria moderados.

Entre 29 de junho e 19 de agosto, pelo menos 557 pessoas morreram e quase 400.000 ficaram deslocadas devido a quatro terramotos de magnitudes compreendidas entre 6,3 e 6,9, que sacudiram a ilha indonésia de Lombok.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridades indonésias elevam para 1.234 o número de mortos do sismo e tsunami

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião