Autoridades indonésias elevam número de mortos de sismos e tsunami para 844

  • Lusa
  • 1 Outubro 2018

As autoridades indonésias elevaram hoje para 844 o número de mortos dos terramotos e tsunamis que atingiram a ilha de Celebes na última sexta-feira. Há ainda centenas de vítimas soterradas.

As autoridades indonésias elevaram hoje para 844 o número de mortos dos terramotos e tsunamis que atingiram a ilha de Celebes na última sexta-feira, mas acreditam que ainda existem “centenas de vítimas” soterradas.

O porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho, disse numa conferência de imprensa em Jacarta que acredita que o número de mortos subirá mais porque há “centenas de vítimas” soterradas na lama em Petobo, uma área de Palu. Sutopo afirmou que a ajuda logística, escoltada por soldados, começou a ser distribuída entre as vítimas e que a restauração do serviço elétrico continua a ser uma prioridade.

A chegada de equipamentos pesados a Palu, a capital da província de Celebes Central e a cidade mais afetada, ajudará a acelerar os esforços de resgate entre os prédios desmoronados.

Aumentou para 144 o número de estrangeiros apurados — em comparação com os 71 divulgados no domingo — que estavam naquela região quando se deu a catástrofe, com um terremoto de 6,1 graus, a que se seguiu, três horas depois, outro de 7,5 graus e um tsunami que causou a maioria das vítimas.

Na praia de Talise, em Palu, onde o tsunami causou inúmeras mortes e muita destruição, trabalhadores humanitários de várias organizações não-governamentais removeram mais corpos das ruínas de um prédio. Centenas de pessoas reuniram-se esta manhã na entrada do posto de comando militar em Itudulaka, no centro de Palu, em busca de comida.

“A água, o arroz, eles precisam”, disse o proprietário do restaurante Rachmat Lapoa à agência Efe, explicando que há falta de pessoal para distribuir a comida entre os afetados. A escassez de gasolina ameaça os geradores que iluminam a cidade e são a única fonte de eletricidade devido à continuação de quebras de energia e de comunicações.

As autoridades indonésias começaram hoje a enterrar numa vala comum centenas de mortos na cidade de Palu, na ilha de Celebes. O porta-voz da BNPB explicou que a vala comum foi aberta para prevenir a disseminação de epidemias. O Governo indonésio, liderado por Joko Widodo, pediu hoje ajuda internacional.

A Indonésia assenta sobre o chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica onde, em cada ano, se registam cerca de 7.000 terramotos, a maioria moderados. Entre 29 de junho e 19 de agosto, pelo menos 557 pessoas morreram e quase 400.000 ficaram deslocadas devido a quatro terramotos de magnitudes compreendidas entre 6,3 e 6,9, que sacudiram a ilha indonésia de Lombok.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridades indonésias elevam número de mortos de sismos e tsunami para 844

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião