Além da eletrónica, Worten passa a vender online artigos para o lar

A Worten investiu sete milhões de euros e criou uma nova plataforma online, que vai vender produtos de lojas parceiras. A marca também vai usar as lojas da Sonae para ajudar nas entregas dos artigos.

A Worten vai começar a vender produtos comercializados por lojas parceiras. A empresa está a mudar de estratégia e apresentou esta quarta-feira uma nova plataforma que lhe permitirá expandir-se para novas áreas do retalho. Para já, o Worten Marketplace vai incluir produtos das áreas do mobiliário, decoração e descanso e reforçar as categorias ligadas à eletrónica de consumo. O investimento neste projeto totaliza os sete milhões de euros, criando uma centena de postos de trabalho, segundo números da empresa.

O Marketplace já está disponível ao público e a marca da Sonae está a fazer mira ao objetivo do milhão de referências até ao final do ano. Começa com cerca de 100 mil produtos e é a forma que a empresa encontrou para encarar a nova fase da digitalização da economia, com a perspetiva de que cada vez mais portugueses comecem a fazer compras online.

“Estamos a viver a digitalização em todas as áreas da sociedade. Sabemos que cerca de um terço dos portugueses compram online e que, até 2025, esse número subirá para perto de 60%. A Worten, enquanto líder de mercado, está empenhada em facilitar esta evolução, acompanhando os seus clientes e parceiros, ao mesmo tempo que entra em novos territórios no retalho”, afirma o administrador operacional da Worten Ibéria, Mário Pereira, citado em comunicado.

Compras noutras lojas, mas com garantia de qualidade Worten

A Worten aposta, desta forma, num modelo que se aproxima ao já implementado pela concorrente Fnac. No entanto, a empresa da Sonae tenciona fazer uma seleção estrita de quais empresas aceita como parceiras.

“Neste modelo de negócio, a Worten trabalha com empresas parceiras selecionadas (sellers), assegurando propostas de valor especializadas e relevantes para o consumidor”, indica a empresa. “Será claro para o cliente que a venda é feita pela empresa parceira, mas esta terá a garantia de beneficiar do selo de confiança Worten”, sublinha a marca da Sonae.

Como elemento diferenciador, a Worten destaca que o Marketplace é “totalmente omnicanal” — “os sellers colocam os seus produtos à venda em Worten.pt e a Worten põe a sua rede de lojas à disposição para ajudar no processo de compra e de recolha dos produtos, mas também no esclarecimento de dúvidas e resolução de questões”. “O Marketplace da Worten é inovador pela sua estratégia e experiência verdadeiramente integrada entre o online e a loja física”, indica Mário Pereira.

A empresa também está a aceitar inscrições de empresas que tencionem ser parceiras e vender os seus produtos na plataforma. “Se a sua empresa se quer tornar um vendedor parceiro Marketplace, registe-se aqui e a nossa equipa entrará em contacto consigo para o ajudar em todo o processo”, lê-se no site da empresa, que passou a estar disponível desde esta quarta-feira.

O novo projeto da marca totaliza um investimento de sete milhões de euros e criou uma centena de postos de trabalho, “particularmente nas áreas de IT [tecnologia], gestão de produto e gestão comercial”. Esta quinta-feira, arranca a campanha de comunicação nos principais canais de televisão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Além da eletrónica, Worten passa a vender online artigos para o lar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião