Concluída migração da plataforma online do Banco Popular Portugal para o Santander

  • Lusa
  • 16 Outubro 2018

A operação de migração envolveu “mais de 1.000 pessoas” durante o fim de semana e permitiu a integração de toda a atividade relacionada com os clientes do ex-Banco Popular Portugal.

A integração tecnológica da rede do ex-Banco Popular Portugal na do Santander ficou concluída “com sucesso” durante o fim de semana passado, tendo a migração decorrido “como esperado”, informou esta terça-feira o Santander Portugal.

Explicando que esta operação de migração, que envolveu “mais de 1.000 pessoas” durante o fim de semana, permitiu a integração de toda a atividade relacionada com os clientes do ex-Banco Popular Portugal, o Santander salienta que, “a partir deste momento, deixa de existir qualquer distinção operativa entre clientes e todos os serviços passam a ser assegurados através dos sistemas Santander, numa integração plena dos dois universos”.

Em meados de julho, os clientes do ex-banco Popular Portugal tinham já sido informados sobre os novos números de identificação bancária (NIB) e acessos às plataformas online. De acordo com o Santander, “todas as áreas do banco estiveram envolvidas nesta operação, num universo de mais de 2.000 linhas de atividades”, tendo-se registado “um número pouco significativo de referências de indisponibilidade ao longo do período de migração”.

A operação de integração tecnológica começou a ser executada em abril deste ano, tendo desde então sido realizadas “várias dezenas de simulações e de testes de migração” para que a mudança tivesse o menor impacto possível nos serviços prestados aos clientes. Segundo o Santander, o processo de integração está a decorrer de acordo com o calendário previsto — em Espanha vai iniciar-se em novembro e será concluído em junho de 2019 — e é o último passo do processo iniciado no verão de 2017, quando anunciou a compra do Popular.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concluída migração da plataforma online do Banco Popular Portugal para o Santander

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião