Espanha: Pablo Casado anuncia candidatura à liderança do Partido Popular

  • Juliana Nogueira Santos
  • 18 Junho 2018

Casado é, até agora, o primeiro nome a avançar com a candidatura para o lugar ocupado por Rajoy. O novo líder será escolhido em meados de julho.

Pablo Casado é candidato à liderança do PP.PP/Flickr

Pablo Casado, vice-secretário para a comunicação do Partido Popular (PP), anunciou esta segunda-feira a sua candidatura à liderança do partido, após Mariano Rajoy se ter afastado do lugar.

Através da sua conta do Twitter, o deputado eleito pela província de Ávila deu um passo à frente perante a inação dos principais membros do partido, tais como Alberto Nuñez Feijóo, Soraya Sáenz de Santamaría e María Dolores.

Em abril deste ano, o El País levantou dúvidas acerca do currículo de Casado, principalmente em relação ao seu mestrado em Direito Autónomo e Local na Universidade Rei Juan Carlos, em Madrid. O deputado não terá comparecido nas aulas, não realizou exames nem defendeu a sua tese. Ainda assim, é, por agora, o único a avançar para a liderança do partido.

Após ter sido afastado do Governo espanhol através de uma moção de censura, Mariano Rajoy saiu também do PP, onde ocupava a liderança desde 2011. “É o melhor para mim, para o PP e, creio, também para a Espanha”, afirmou Rajoy na altura. “Continuarei convosco, porque não imagino a minha vida fora do PP. Não vou entregar o cartão de militante”.

O congresso extraordinário do partido está marcado para os dias 20 e 21 de julho e irá servir para decidir o futuro, não só no que diz respeito à liderança, mas também à posição que o partido terá de assumir depois de ter passado de incumbente a oposição. O prazo de entrega de candidaturas para a presidência do partido termina na tarde desta quarta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha: Pablo Casado anuncia candidatura à liderança do Partido Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião