Geringonça portuguesa pode ensinar algo a Espanha e Itália? Sim e não

Dois novos governos. Um em Espanha e outro em Itália. Um sem maioria no Parlamento e outro um caldeirão político. A geringonça de Costa pode ajudar Sánchez e Conte a encontrar soluções governativas?

Espanha e Itália têm desde a semana passada novos governos. O primeiro não tem maioria e o segundo resulta de uma coligação improvável. Ninguém sabe ao certo quanto tempo vão durar e, por isso, as comparações com o que se passou em Portugal em 2015 são imediatas. Mas será que a geringonça portuguesa criada por António Costa pode dar lições a Pedro Sánchez e a Giuseppe Conte?

“A principal lição que Portugal já deu a Espanha é que o Parlamento tem vida própria”, diz ao ECO o filósofo Viriato Soromenho-Marques. Na sexta-feira, o líder do PSOE conseguiu juntar 180 deputados e através de uma moção de censura deitou abaixo o Governo de Mariano Rajoy. Em 2015, Costa reuniu 122 votos para derrubar o Executivo de Passos Coelho. Ambos chegaram a líder do Governo sem terem vencido as eleições.

"A principal lição que Portugal já deu a Espanha é que o Parlamento tem vida própria.”

Viriato Soromenho-Marques

António Costa Pinto, investigador no Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa, acrescenta que apesar das diferenças, Pedro Sánchez pode aproveitar alguns dos ensinamentos da geringonça de Costa. “O grande desafio do PSOE é recuperar o eleitorado que perdeu – tal como aconteceu em 2015 com Costa. No caso de Espanha a tarefa é mais fácil, porque o PP radicalizou-se. Mas Sánchez precisa de encetar modelos negociais”, que permitam resolver o principal desafio – a questão catalã.

Em Portugal, Costa esteve desde o início em permanente negociação com os parceiros que o apoiam no Parlamento. Em Espanha, o tema central é outro – o renascimento da tendência independentista da Catalunha -, mas a arte para negociar é vista como fundamental para atingir o objetivo. “Em Espanha não há grande desafio económico e social, nem uma clivagem entre direita e esquerda”, diz Costa Pinto.

"Em Espanha não há grande desafio económico e social, nem uma clivagem entre direita e esquerda.”

António Costa Pinto

A capacidade para unir – que Costa pode emprestar a Sánchez – é também sublinhada por Viriato Soromenho-Marques. “Portugal não tem um problema nacional. Espanha tem. O novo chefe do Governo espanhol tem de levantar o país mas num campo diferente” daquele onde Costa trabalhou quando assumiu a liderança do Executivo, explica o professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Para Viriato só virando-se para o espaço europeu é que Sánchez conseguirá resolver os problemas internos. “Se Sánchez conseguir unir uma base de apoio e comprometer a oposição ganhando protagonismo no palco europeu poderá ter ganhos internos”, defende o professor, argumentando que, com Rajoy, “Espanha fechou-se no armário”, sendo necessário agora reposicionar o país nos debates europeus.

Se a gestão da crise nacionalista é prioritária em Espanha, Sánchez terá de perceber também que “não se pode fazer tudo ao mesmo tempo”, avisa Soromenho-Marques. Uma estratégia muito usada em Portugal por António Costa, que para conseguir a quadratura do círculo entre as suas ideias e a dos seus parceiros implementou várias políticas de forma gradual. “A ilusão de que é possível tudo para todos já não existe”, dizia em novembro último.

Apesar de reconhecerem que nalguns pontos específicos a geringonça pode inspirar Espanha, Costa Pinto lembra que no país vizinho esta não é a primeira vez que há um Governo minoritário. E Viriato sublinha que, perante a falta de maioria no Parlamento, a “capacidade de apresentar propostas será sobretudo decisiva para preparar as próximas eleições” que podem ser já em 2019.

Quanto a Itália, o caso muda de figura. “O sistema partidário já implodiu várias vezes”, diz Costa Pinto, concluindo que não há grandes lições que Guiseppe Conte possa tirar da solução governativa portuguesa. O novo primeiro-ministro italiano, um independente, foi proposto pelo Movimento 5 Estrelas e pela Liga Norte que se coligaram depois das eleições de 4 de março.

A chegada ao poder de partidos anti-imigração e com eurocéticos assustou os mercados na semana passada e as autoridades europeias lembram que Itália é um fundador da União Europeia. “As regras são iguais para todos os estados-membros e são muito robustas”, disse o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno.

“A situação económica em Itália é politicamente insustentável”, escreveu o economista Ricardo Cabral no Público (acesso pago) esta segunda-feira, lembrando que o desemprego atinge 31,7% dos jovens e desde 2008 emigraram 1,5 milhões de italianos, sobretudo jovens qualificados. Cabral cita o economista Vladimiro Giacché para dizer que “a Itália atravessa a pior crise e tempos de paz desde 1861”.

Apesar de quadro económico e social complicado que será enfrentado por um partido populista e um de extrema-direita, Viriato considera que o pior que poderia acontecer era a Itália ser ostracizada. “António Costa poderia ter um papel importante. Porque Portugal tem uma possibilidade de atuação diplomática para ajudar a construir uma frente de países do Sul mas que atravessam crises de liderança profundas”, diz o filósofo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Geringonça portuguesa pode ensinar algo a Espanha e Itália? Sim e não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião