Clientes em Portugal do Popular passam no fim de semana para plataforma de internet do Santander

  • Lusa
  • 9 Outubro 2018

A partir deste fim-de-semana, os clientes em Portugal deixam de utilizar a plataforma do Popular. Em Espanha, esse processo de transição vai acontecer em novembro.

O presidente executivo do Grupo Santander, José Antonio Álvarez, anunciou em Madrid que, este fim de semana, os clientes do Banco Popular em Portugal deixam de poder utilizar a plataforma de internet habitual e passam a utilizar a do Santander Portugal.

José Antonio Álvarez, que a partir de janeiro passa a vice-presidente executivo do Grupo e presidente executivo em Espanha, também avançou que esse processo, naquele país, se vai iniciar em novembro próximo e será concluído em junho de 2019. Na intervenção que fez num encontro financeiro organizado pela KPMG e o grupo Expansión para analisar as transformações no setor bancário, o responsável do Santander assegurou que “há poucos riscos de que o cliente sofra” com a integração tecnológica.

“Não será feita uma integração segundo o modelo big bang“, sublinhou José Antonio Álvarez, insistindo que a integração do Popular na plataforma digital do Santander será levada a cabo de forma a que se minimizem quaisquer riscos, recordando os problemas recentes sofridos pelo Banco Sabadell quando realizou a incorporação tecnológica da sua filial britânica TSB.

O Santander afirma que o processo de integração se está a realizar de acordo com o calendário previsto e compromete-se a continuar a informar os clientes até à integração operacional, o último passo do processo iniciado no verão de 2017, quando anunciou a compra do Popular.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clientes em Portugal do Popular passam no fim de semana para plataforma de internet do Santander

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião