Lucros do Santander crescem apesar dos custos com integração do Popular

O banco liderado por Ana Botín atingiu lucros de 3.752 milhões de euros no primeiro semestre do ano, apesar dos custos de 300 milhões suportados pela integração do Popular. Brasil pesa cada vez mais.

O Santander fechou o primeiro semestre do ano com lucros de 3.752 milhões de euros, um crescimento de 4% quando comparado com igual período do ano anterior. Este resultado fica em linha com o estimado pelos analistas.

Em comunicado enviado ao mercado o banco liderado por Ana Botín anuncia que teve que suportar um custo extraordinário de 300 milhões de euros resultado da integração do Banco Popular, em linha com o previsto. O Santander, já tinha avisado, que os custos com o processo num total de 900 milhões de euros, seriam contabilizados em partes iguais entre 2017 e 2019.

Excluindo os custos não recorrentes, os lucros teriam aumentado 25% para os 4.052 milhões de euros, impulsionado pelas receitas dos clientes. O número de clientes do Santander aumentou 17% para os 19 milhões de euros. Já o crédito e os recursos dos clientes aumentaram 2% e 6% respetivamente, em euros constantes.

Em termos de geografias, o banco destaca a presença equilibrada entre mercados emergentes e maduros como sendo uma das suas “principais fortalezas”. Nesse sentido, verificou-se um aumento dos lucros em oito dos 10 principais países em que o banco está presente, isto a euros constantes. A América contribuiu com 51% para o resultado do grupo, e os restantes 49% foram contributo da Europa. O Brasil foi o país que maior contributo teve para os resultados, com 26% seguido de Espanha com 15% e o Reino Unido com 14%.

Em termos de resultados, o Brasil cresceu 28% para os 1.324 milhões de euros, seguido de Espanha com 500 milhões (menos 19,9%), e o Reino Unido que caiu 14,1% para os 692 milhões de euros. O Santander diz que a queda no Reino Unido tem sido afetada “por um retorno muito competitivo que pressionou as receitas e os custos aumentaram devido a maiores investimento na transformação digital”. Já a diminuição dos resultados em Espanha é sobretudo devido aos custos com a aquisição do Popular, sem esse efeito o resultado teria aumentado em 25%.

Já em Portugal, a operação teve um lucro de 250 milhões de euros, um aumento de 6% face a igual período do ano anterior.

A rentabilidade sobre o capital (ROE) melhorou de 7,97% em junho de 2017, para os 8,24% no primeiro semestre de 2018. O rácio de capital CET1 fully loaded situou-se nos 10,8%, em junho, que compara com 9,58% de há um ano.

Os títulos do banco estão a cair 0,21% na bolsa espanhola.

Santander pede exclusão da bolsa de Lisboa

O Santander, em comunicado enviado à CMVM, informa que pediu a exclusão voluntária de ações do banco de quatro mercados, entre os quais está o Euronext Lisboa. Além de Lisboa, os outros mercados são: Argentina, Brasil e Itália.

Adicionalmente, o Santander “deliberou solicitar a exclusão voluntária das ações do Banco Santander admitidas à negociação sob o símbolo SAN no Índice de Precios y Cotizaciones (IPC) da Bolsa Mexicana de Valores (BMV) e a sua imediata integração na BMV em si, no Sistema Internacional de Cotizaciones (SIC) disponível no México para ações de sociedades estrangeiras”.

Estas medidas são justificadas com “um processo de racionalização dos mercados onde as ações do banco têm uma cotação secundária e, em particular, tendo em consideração o reduzido volume de negociação da ação do banco Santander nesses mercados”.

O Santander diz ainda que “à medida que forem sendo obtidas as correspondentes autorizações por parte das autoridades supervisoras de um cada um dos mercados alvo, o Banco Santander comunicará em cada um desses mercados a data efetiva da exclusão e os detalhes relevantes sobre a transferência das ações”.

As ações do Santander continuarão a “estar admitidas à negociação nas bolsas de valores de Madrid, Barcelona, Bilbao e Valência, através do Sistema de Interconexión Bursátil espanhol, em Nova Iorque, Londres e Varsóvia”.

(notícia atualizada às 8h45 com mais informação)

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do Santander crescem apesar dos custos com integração do Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião