Santander divide-se em nove grupos autónomos. Portugal será um

Se houver uma crise, o Santander quer estar mais preparado para lhe dar resposta. Ana Botín tenciona dividir o banco em nove unidades autónomas que podem ser resolvidas de forma independente.

O banco Santander vai descentralizar operações para se tornar mais resiliente em situações de crise financeira. A empresa liderada por Ana Botín já definiu a estratégia e prepara-se para separar as operações em nove grupos distintos divididos por localização geográfica. Um deles tem sede em Portugal.

A notícia foi avançada esta terça-feira pelo Expansión. Em causa está a criação de “grupos de resolução”, que apenas respondem por parte do negócio do Santander e que podem ser resolvidos pelos bancos centrais, de forma independente, sem que haja contágio pelas restantes operações da companhia. “Definimos os grupos de resolução como um reflexo do modelo dos grupos financeiros autónomos, para que todas as filiais sejam incluídas num grupo de resolução”, lê-se num documento oficial citado pelo jornal espanhol.

O jornal acrescenta que cada grupo de resolução terá de obedecer a critérios específicos, incluindo ao nível dos rácios de capital. Terá ainda de possuir recursos suficientes para se resgatar a si próprio, sublinha. Estes novos grupos têm ainda autonomia operacional e um grupo não tem a obrigação de salvar o outro — “não há compromissos legais que impliquem apoio financeiro”, indica um documento da empresa. A ter de ser feito, é feito a “preços de mercado”.

O grupo de resolução sediado em Espanha vai ser o que concentra a maior parcela das operações do Santander, contando com ativos no valor de 651 mil milhões de euros. Por ordem decrescente de valor, as restantes unidades terão sede no Reino Unido (361 mil milhões de euros em ativos), Brasil (162 mil milhões), Estados Unidos (114 mil milhões), México (58 mil milhões), Chile (50 mil milhões), Portugal (48 mil milhões), Polónia (32 mil milhões) e Argentina (13 mil milhões), segundo o Expansión.

O grupo de resolução espanhol é também o que tem maior solvabilidade, com um capital total de 24,12%. A capitalização da unidade portuguesa tem um capital a rondar os 18%, próximo do Reino Unido. A unidade norte-americana conta com um capital próximo dos 20%. Segundo o Expansión, o grupo que tem menos capital é o argentino, ligeiramente acima dos 12% do capital total.

O ECO contactou o Santander em Portugal no sentido de obter mais informações sobre este plano, mas ainda não obteve resposta por parte da empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander divide-se em nove grupos autónomos. Portugal será um

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião