Grupo KKR “perto” de comprar torres de telecomunicações da Altice em França

Segundo a Reuters, o grupo KKR está a finalizar um acordo com a Altice para a aquisição de uma posição na subsidiária que gere as torres da Altice à venda em França.

O grupo KKR estará “perto” de fechar um acordo com a Altice para a compra de uma posição minoritária no negócio das torres de telecomunicações da empresa em França. A notícia foi avançada pela Reuters, que cita três fontes próximas da operação.

O acordo entre as duas companhias está a ser “finalizado”, sendo que o grupo de investimento norte-americano KKR deverá investir na subsidiária que gere estes ativos da Altice através do seu próprio fundo de investimento em infraestruturas. Em março, a Bloomberg já tinha dado conta do interesse da KKR nas torres da Altice.

A Altice, que detém a SFR em França e a Meo em Portugal, pôs vários pacotes de torres de telecomunicações à venda na Europa, incluindo 3.000 torres de telecomunicações da Meo, um negócio que poderá ser fechado ainda este semestre, não havendo qualquer confirmação oficial sobre a identidade dos interessados.

Segundo a Reuters, o negócio entre a KKR e a Altice será a aquisição de uma participação minoritária na subsidiária da empresa fundada por Patrick Drahi. A oferta da KKR ter-se-á saído vencedora mas, na mesa, estariam outras propostas da Blackstone e de um consórcio do qual fariam parte os ramos de investimento das seguradoras Allianz e Axa.

A venda das torres de telecomunicações não implica a redução da cobertura de rede móvel das operadoras detidas pela Altice. Isto porque a empresa só está a alienar a estrutura metálica que suporta os equipamentos, um ativo que se enquadra na categoria de património imobiliário e é visto como um investimento de longo prazo.

O grupo Altice esteve envolvido em diversas operações de aquisição de outras empresas ao longo dos últimos anos, apostando desta forma no crescimento inorgânico. A estratégia levou o grupo a acumular uma dívida que chegou a ultrapassar os 50 mil milhões de dólares. Atualmente, a Altice tem uma dívida equivalente a mais de duas vezes as suas receitas anuais, segundo a agência.

No ano passado, o mercado temeu pela liquidez da Altice para abater este passivo e a empresa esteve a cair significativamente na bolsa de Amesterdão durante várias semanas. O grupo acabou por anunciar um programa de venda de ativos, no qual se insere a venda das torres de telecomunicações.

Sabe-se que a American Tower também estaria interessada em alguns destes ativos. Em maio, o Expresso noticiou que o ex-ministro da Economia António Pires de Lima, e o ex-secretário de Estado Sérgio Monteiro, também estão entre os potenciais compradores das torres que a Altice está a vender em Portugal.

Esta terça-feira, as ações da Altice estão a cotar na bolsa de Amesterdão nos 3,28 euros, uma queda de 1,97% face à sessão anterior. Em Portugal, a empresa também foi notícia esta segunda-feira por ter deixado cair o negócio da compra da Media Capital aos espanhóis da Prisa, pelo qual oferecia 440 milhões de euros. Em causa, a falta de uma decisão do regulador da concorrência dentro do prazo útil estipulado pelas companhias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo KKR “perto” de comprar torres de telecomunicações da Altice em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião