Altice vai vender 3.000 torres da Meo este semestre

O grupo Altice confirmou esta sexta-feira que vai vender cerca de 3.0000 torres de telecomunicações em Portugal. Negócio é para estar concluído este semestre.

A venda de torres de telecomunicações da Altice ATCB 2,12% deverá render dois mil milhões de euros à empresa. Está confirmado que a dona da Meo vai mesmo vender todo o portefólio de torres de telecomunicações em Portugal que identificou para ser alienado, num total de cerca de 3.000 antenas, encontrando-se ainda a vender cerca de 10.000 torres em França.

A informação já tinha sido avançada pelo ECO com base no relatório de contas da empresa, divulgado esta quinta-feira. No entanto, Dennis Okhuijsen, administrador da Altice, numa conferência telefónica de apresentação de resultados, avançou que o negócio é para estar fechado ainda durante este primeiro semestre, segundo avançou o Jornal de Negócios [acesso pago] e confirmou o ECO. Já era sabido que, alegadamente, entre os interessados nestes ativos estarão as companhias Cellnex, American Tower e KKR.

Já depois da conferência, a Altice Portugal veio esclarecer com mais detalhe que, em causa, não estão todas as torres de telecomunicações da Meo, mas sim todas as torres da Meo que a Altice tinha identificado para serem vendidas. Em Portugal, a empresa terá, no total, entre 4.000 e 5.000 antenas de telecomunicações. Fonte da empresa disse ao ECO que a cobertura de rede em Portugal continuará a ser “garantida”.

Ainda assim, na conferência de analistas da Altice, questionado sobre o porquê de a Altice vender uma maior percentagem de torres em Portugal do que em França (face ao total de antenas em cada país), o responsável do grupo reconheceu que isso está relacionado com “a dimensão” do mercado português. Além disso, a venda de todo o portefólio em França, igualmente devido à dimensão do mercado, acarretaria “dificuldades” para a companhia. E “também há questões fiscais envolvidas”, resumiu o responsável.

Na mesma conferência telefónica, o grupo garantiu estar a assistir a sinais de recuperação no mercado francês. “Já começámos a ver melhorias substanciais em métricas importantes relacionadas com os consumidores”, disse Dexter Goei, líder da Altice Europe.

A Altice esteve sob pressão no final do ano passado, face aos receios dos investidores de que não tenha liquidez para pagar a dívida multimilionária que acumulou após anos e anos de aquisições. Essa dívida líquida, agora, cifra-se em 30,85 mil milhões de euros no que toca à Altice Europe (chegou a superar os 50 mil milhões), de acordo com a Reuters. A redução deve-se ao spin off da unidade norte-americana do grupo.

Facto é que essa dívida só começa a vencer, em termos significativos, em 2021: “Temos claramente vários anos até ter de fazer um pagamento. Temos o tempo nas nossas mãos no que toca a lidar com a dívida e podemos focar-nos agora em melhorar as operações”, sublinhou o administrador da Altice.

Desta feita, a empresa anunciou também, no ano passado, um plano de venda de ativos, no qual se insere a venda das torres. Entre os ativos que a empresa está a alienar encontra-se o negócio na República Dominicana, que está “em curso” e deverá ficar fechado também este semestre.

Como já noticiado, a venda do negócio de voz internacional em Portugal, República Dominicana e França também já está a ser negociado (com os franceses da Tofane Global) e a alienação de data centers na Suíça também foi fechada recentemente. Na conferência, a Altice disse ainda não ter intenções de retirar o grupo europeu da bolsa e anunciou que deverá abrandar o investimento (capex) em França durante 2018.

Depois de um ano em que o valor da Altice se reduziu em metade, face aos receios da liquidez e perda de clientes no negócio das telecomunicações em França, a Altice tem vindo a recuperar na bolsa em 2018. Esta sexta-feira, os investidores deram um novo sinal de confiança ao grupo: as ações valorizaram 2,29% para 8,25 euros.

Altice Portugal dá mais detalhes sobre a venda das torres

Ao final da tarde desta sexta-feira, a Altice Portugal enviou um comunicado às redações com mais detalhes sobre a venda das torres em Portugal. “Quando se menciona a venda de torres, apenas estão incluídas estruturas metálicas e não equipamentos ativos de rádio para suportar o serviço móvel ou outros equipamentos ativos de transmissão”, lê-se na nota.

“A Altice Portugal detém um portfólio de cerca de 4.000 torres que alojam equipamentos que suportam os serviços de comunicações móveis. Deste universo, foram identificadas unicamente 3.000, que estão incluídas no portfólio de torres alienáveis do Grupo Altice, ou seja 75% do parque. Dentro do universo das 3.000 torres referidas, 1.800 situam-se em espaços abertos e 1.200 em rooftops (no topo de edifícios urbanos)”, acrescenta a companhia liderada por Alexandre Fonseca.

A empresa conclui ainda: “As cerca de 1.000 torres de comunicações que não serão alienadas compreendem, entre outras, aquelas afetas a coberturas indoor, ao sistema Siresp, à TDT e a outras instalações consideradas não externalizáveis, por se encontrarem em edifícios propriedade da Altice Portugal.”

(Notícia atualizada pela última vez às 19h09 com esclarecimento da Altice Portugal: o grupo não tenciona vender todas as torres da Meo, mas sim vender todas as torres que tinha identificado para serem alienadas)

Cotação das ações da Altice na bolsa de Amesterdão

Comentários ({{ total }})

Altice vai vender 3.000 torres da Meo este semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião